Catorze processos de contra-ordenação

Um parque infantil do Alentejo encerrado por decisão da ASAE

Um chão que protege das quedas, é um dos problemas encontrados
Foto
Um chão que protege das quedas, é um dos problemas encontrados Paulo Pimenta

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) realizou uma operação de fiscalização a parques infantis, levantando 14 processo de contra-ordenação e encerrando um parque infantil na região do Alentejo.

A operação, de âmbito nacional, fiscalizou 28 parques infantis e detectou, num total, 26 infracções que na maioria estavam relacionadas com a falta de superfície de impacto. Ou seja, a falta de um pavimento adequado que, em caso de queda, proteja as crianças de ferimentos mais graves.

As outras infracções estavam relacionadas com deficiências de segurança dos equipamentos e dos parques em geral, incumprimento das regras de instalação e funcionamento deste tipo de estruturas, falta de informação e falta do livro de manutenção que afere a realização de manutenção das boas condições dos espaços.

O parque infantil encerrado possuia um chão de terra sem qualquer superfície de impacto, os baloiços e os outros equipamentos encontram-se danificados, constituindo um perigo para os utilizadores. O parque também não tinha informações obrigatórias.