Projecto do Instituto Superior de Agronomia vence prémio da Corticeira Amorim

“Ilhas de biodiversidade” podem ajudar a garantir sobrevivência dos montados

A maior taxa de mortalidade das árvores jovens é causada pela seca durante o Verão
Foto
A maior taxa de mortalidade das árvores jovens é causada pela seca durante o Verão PÚBLICO (arquivo)

O conceito de criar pequenas “ilhas de biodiversidade” nos montados, para ajudar a garantir a sobrevivência destes habitats de importância comunitária, faz mais sentido desde que investigadores do Instituto Superior de Agronomia (ISA) estão a estudar um montado do Alto Alentejo. O projecto, que dura há seis anos, acabou de receber o Prémio de Investigação da Corticeira Amorim.

Parte da tapada real de Vila Viçosa, no Alto Alentejo, foi transformada num laboratório vivo onde se tem movimentado uma equipa de investigadores do Centro de Ecologia Aplicada e do Centro de Estudos Florestais do ISA. O objectivo é conhecer os impactos do pastoreio, nomeadamente a alimentação e o pisoteio, na biodiversidade naquela zona de montado, habitat de importância comunitária.

Miguel Bugalho, do Centro de Ecologia Aplicada e coordenador do projecto, explicou que foram vedadas cinco parcelas (25mx25m) e que se mantiveram outras cinco abertas, sujeitas ao pastoreio por gado bravio (veados e gamos). O que ali se tem vindo a passar desde 2001 ajuda a perceber como se pode melhorar a gestão do montado.

Depois de comparar as parcelas abertas e as vedadas, os investigadores concluíram que a taxa de sobrevivência das pequenas árvores, incluídas na “ementa” dos animais, é cerca de 15 por cento menor nas áreas abertas.

No entanto, o gado está longe de ser a principal causa da mortalidade dos jovens sobreiros. “A maior taxa de mortalidade registada, tanto nas parcelas abertas como naquelas onde o acesso foi vedado, é causada pela seca durante o Verão”, salienta Miguel Bugalho ao PÚBLICO.

Outra das conclusões do projecto diz respeito às alterações que o pastoreio está a causar nas ervas dos montados. “A lista das espécies de plantas não é igual nos dois tipos de parcelas”, acrescenta o investigador do ISA. Se há espécies que só crescem nas parcelas protegidas, também é verdade que há outras plantas que “preferem” as zonas de pastoreio. Miguel Bugalho explica que isso se deve ao facto de o gado, ao alimentar-se, limpar o solo da vegetação e permitir, por exemplo, a chegada de maior luz solar no solo, situação que permite a germinação e estabelecimento de algumas plantas.

Gado pode ajudar a combater incêndios

Outra das conclusões deste projecto é que o gado silvestre ou doméstico, ao alimentar-se de arbustos, ajuda a manter o montado “limpo”, factor de prevenção de incêndios. “É muito diferente termos um montado com mato rasteiro, onde as chamas não atingem a copa das árvores, e um montado com arbustos altos”, que servem de ligação entre o solo e a copa das árvores”, explica.

Mas o gado influencia não apenas árvores, arbustos e plantas mas também a diversidade de insectos, como as formigas, no solo e na vegetação. “É um efeito cascata”, comenta Miguel Bugalho. Por exemplo, as espécies de formigas são diferentes consoante se encontrem nas parcelas abertas ou protegidas. “Nas parcelas abertas, onde há menos vegetação, temos mais formigas predadoras, porque precisam de zonas abertas para caçar. Nas parcelas vedadas encontramos mais formigas herbívoras, que se dedicam à recolha de sementes”.

”Ilhas de biodiversidade” nos montados

Miguel Bugalho defende que os resultados do estudo permitem defender a tese da criação de pequenas ilhas de biodiversidade nos montados, mantidas por cerca de dez anos sem pastoreio e com uma gestão cuidada. “Quando um dia forem abertas, estas ilhas vão funcionar como pólos de propagação de indivíduos (árvores, arbustos, plantas e insectos) para o resto da propriedade, a fim de colonizar outras áreas”. Segundo o investigador, também é possível “criar biodiversidade” à escala de uma propriedade, pois a biodiversidade entre zonas abertas e vedadas é diferente.

A equipa vai utilizar o prémio da Corticeira Amorim, no valor de dez mil euros e recebido a 10 de Outubro na Casa da Música, no Porto, para continuar a monitorizar estas parcelas. Segundo Miguel Bugalho, a quantia será suficiente para mais um ano e meio a dois anos de trabalho de campo. Agora estão a ser feitas medições dos impactos do pastoreio na composição do solo, nomeadamente quanto aos nutrientes e capacidade de retenção de água.

Segundo o investigador, seria “fundamental” manter o projecto por vários anos. “Os processos são lentos para vermos efeitos e detectar tendências. As parcelas deveriam ser monitorizadas em contínuo”.