Ex- líder do PS Porto é candidato independente

Narciso Miranda não acredita que o PS o expulse das fileiras do partido

Narciso Miranda lembra vários exemplos de militantes que foram contra as indicações do partido
Foto
Narciso Miranda lembra vários exemplos de militantes que foram contra as indicações do partido Luís Efigénio (arquivo)

O ex-presidente da Câmara de Matosinhos, que hoje assumiu que um dos objectivos da Associação Narciso Miranda Matosinhos Sempre (ANMMS), da qual é presidente, é apresentar candidaturas independentes aos órgãos autárquicos, não acredita que o PS o venha a expulsar do partido pelo facto de se candidatar como independente à presidência da autarquia que liderou durante vários mandatos.

“Não é muito provável que isso aconteça”, declarou Narciso Miranda, atirando, de imediato, exemplos de militantes socialistas que nem sempre seguiram as orientações do partido e que continuam a fazer parte do partido. “Há quatro anos um dirigente e grande quadro do partido por quem tenho grande admiração, Manuel Alegre, candidatou-se à Presidência da República contra a decisão do PS e não foi expulso, esteve quase a passar à segunda volta, criando uma enorme surpresa e demonstrando que a estratégia estava errada. Há pouco tempo, Helena Roseta disse que queria exercer os seus direitos constitucionais e apresentou-se como candidata à Câmara de Lisboa, e não foi expulsa, está lá como vereadora”, argumentou o ex-presidente, citando mais exemplos.

“No outro dia cruzei-me com um presidente de junta, cuja freguesia, por más razões, esteve muito na comunicação social por causa do trágico acidente da ponte de Entre-os Rios, de Castelo de Paiva, que o PS não quis que ele fosse candidato à Junta de Rãs. O partido não quis mas ele decidiu exercer os seus direitos e candidatou-se como independente, tendo ganho as eleições com maioria absoluta. O presidente da Junta de Rãs continua a ser militante do PS, sendo convocado para todas as reuniões”, relatou o ex-presidente da câmara, em conferência de imprensa onde apresentou a Associação Narciso Miranda Matosinhos Sempre e que vai funcionar como a plataforma de lançamento da sua candidatura.

Determinado em mostrar que esta é uma questão “irreversível”, o ex-líder do PS-Porto repetiu, por várias vezes, que “é militante do PS e que vai continuar a ser socialista porque é um direito que lhe assiste”, mas também disse que, a partir de agora, vai vestir por cima da camisola do seu partido a camisola de Matosinhos. “A minha camisola do PS é muito importante, mas a camisola de Matosinhos é muito mais importante”, decretou.

Ao ser confrontado pelos jornalistas, sobre o cenário de uma eventual expulsão, Narciso voltou a afastar essa possibilidade até porque, sublinhou, uma decisão dessas, colocaria o PS numa situação pouco confortável, porque as “pessoas não entenderiam os largados elogios que durante anos e anos os secretários-gerais socialistas, sem excepção, lhe fizeram, desde Mário Soares a José Sócrates”.

Perante uma sala completamente cheia, onde avultavam “socialistas, sociais-democratas e independentes ”, o ex-presidente dirigente nacional socialista puxou pela mobilização dos entusiastas do projecto, avisando que o trabalho começa já amanhã com a primeira reunião da associação cívica, a sua rampa de lançamento para a difícil batalha de reconquistar a presidência da Câmara de Matosinhos. Mas desta vez contra o PS.