À margem do encontro The Star Tracking - Odisseia do Talento

Durão Barroso: "Não trocava problemas da Europa por os de outra região do mundo"

Portugal é, mesmo na União Europeia, o país socialmente mais pluralizado, com maior diferenciação na distribuição de rendimento, disse Durão Barroso
Foto
Portugal é, mesmo na União Europeia, o país socialmente mais pluralizado, com maior diferenciação na distribuição de rendimento, disse Durão Barroso Kieran Doherty/Reuters

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, revelou ontem à noite vontade de continuar em funções, ao afirmar que "não trocava os problemas da Europa por os de outra região do Mundo".

"Não trocava os problemas da Europa por os de outra região do Mundo", disse Durão Barroso aos jornalistas à entrada do encontro The Star Tracking - Odisseia do Talento, que se realizou ontem na Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa.

O presidente da Comissão Europeia falava depois de ter sido questionado pelos jornalistas acerca dos problemas europeus.

Na altura, Durão Barroso adiantou: "Obviamente que há sinais difíceis mas a Europa tem meios e capacidade de lhes fazer face".

Ao falar para os cerca de 800 talentos portugueses que se reuniram no Campo Pequeno, o ex-primeiro-ministro português saudou a iniciativa que pretende "mobilizar talentos em torno da ideia de abertura" para o mundo.

No entanto, defendeu perante os membros daquela rede, a maioria jovens empreendedores com estudos superiores, que não devem esquecer o dever social que têm no País.

"Portugal é, mesmo na União Europeia, o país socialmente mais pluralizado, com maior diferenciação na distribuição de rendimento. Grande parte do problema reside no facto de as elites tenderem a não entender este aspecto e a agravá-lo", afirmou.

Para resolver este problema, Durão Barroso defendeu que as elites "não devem existir para formar castas" mas sim entender que "fazer parte de uma elite é ter uma maior responsabilidade para com os outros".

"É com essa atitude que podemos mobilizar e ter o nosso País cada vez melhor", afirmou.

Nascido de uma iniciativa privada, o The Star Tracking pretende identificar o talento global português que existe dentro e fora de Portugal, nas mais variadas áreas, e incentivar a partilha de experiências e informações dessa comunidade com o objectivo de criar valor para o país.

Com cerca de 15 mil membros, o The Star Tracking tem a filosofia de que "o que é nacional é bom" e que tem de se valorizar o "ser português". Proíbe que os seus associados falem mal de Portugal.