O ponta-de-lança Lisandro é muito mais goleador do que o extremo Lisandro

O argentino foi o melhor marcador em Portugal da mesma forma que foi na Argentina: a jogar na frente do ataque, como primeira opção. Desde Jardel que nenhum portista marcava tanto

por cento dos 60 golos que o FC Porto somou no campeonato 2007/08 são da autoria do argentino Lisandro López. 40
a Ser o melhor marcador de um campeonato não é para qualquer um. Ser o melhor em dois diferentes, e de boa categoria como são o português e o argentino, é ainda mais difícil. Lisandro López foi o maior facilitador do título fácil conquistado esta época pelo FC Porto. Marcou 24 golos em 27 jogos.
Em cada uma das duas Ligas anteriores, e jogando mais ou menos os mesmo jogos, marcou sete. O factor decisivo no aperfeiçoamento ofensivo do argentino não é nenhum segredo. Jesualdo Ferreira conhece-o, os adeptos e os adversários também. Toda a gente conhece - afinal, não é nenhum segredo. E, claro, também o homem que o treinou no Racing quando se sagrou melhor goleador do Torneio Abertura 2004, o primeiro do clube de Avellaneda em 35 anos, com 12 golos em 19 jogos. "Está a jogar na posição em que tem de jogar, na frente do ataque", referiu Guillermo Rivarola, constatando o óbvio. "Antes estava a jogar muito junto à linha, sem liberdade. O Lisandro precisa de participar mais no jogo, de tocar mais a bola", explicou o técnico argentino, que testemunhou de perto a estreia do portista no futebol sénior. A sério, mesmo de muito perto. Foi Rivarola que Lisandro substituiu durante um Racing-Velez Sarsfield, em 14 de Junho de 2003.
Portanto, já foi colega e "patrão" de "Licha". E sabe porque é que ele marcou 40 por cento dos 60 golos do FC Porto no campeonato do tricampeonato. "Tem bom domínio, boa técnica, instinto goleador e um bom jogo de cabeça, apesar de não ser muito alto." Há pelo menos mais uma razão, que ajuda a colocar em contexto a expressão: "Talento é um por cento inspiração e 99 por cento transpiração." Lisandro corre que se farta! Ou, no seu caso, corre que não se farta!
Foi com apenas 21 anos que teve o seu ano de afirmação na Argentina. Apesar de surpreendente para a generalidade das pessoas, a sua ascensão não apanhou Rivarola desprevenido. "Na realidade, esperávamos que ele jogasse tão bem em 2004 porque ele já mostrava ter condições de jogador europeu. Fazia coisas diferentes, marcava golos espectaculares e de muitas maneiras diferentes", justificou o argentino, que percebeu então que o seu jogador tinha as ferramentas necessárias para triunfar na Europa.
Lisandro, segundo Rivarola, só tinha um defeito - pelo menos na perspectiva dos avançados é apontado como tal. "Por vezes, dizia-lhe para ser mais egoísta, porque gostava de fazer passes para golo. Mas os goleadores vão-se fazendo. Como todos os goleadores queria marcar, mas ele também queria participar no jogo colectivo. Mas quando um avançado marca muito tem certo valor, e quando marca menos tem outro, mesmo que seja útil à equipa." Lição aprendida. Lisandro fez 24 golos e apenas uma assistência nesta Liga.
Para Ediglê, defesa-central do Marítimo, uma das três vítimas preferenciais de Lisandro López esta época, o argentino faz a diferença por ser "muito ágil e muito oportunista". O portista marcou três golos ao Marítimo, tantos como ao Leixões e menos um do que ao Paços de Ferreira. Nos dois jogos com o FC Porto, não houve marcação anormal ao avançado. "O problema é que temos que nos preocupar com uma série de jogadores e não só com o Lisandro", explicou. Ediglê reconhece a dificuldade de defender um "fora-de-série", a quem prevê um futuro brilhante.
O presente também não está nada mau para Lisandro. Desde a saída de Mário Jardel para o Galatasaray, há oito anos, que nenhum portista conseguia um número tão elevado no campeonato. Os 38 golos de Jardel em 1999/2000 parecem inacessíveis - também só agora se começa a acreditar que o brasileiro é humano e não um cyborg -, mas o argentino ultrapassou os outros goleadores das últimas temporadas. Adriano (11 em 2006/07), Lucho (10, 2005/06), McCarthy (11, 2004/05), Postiga (13, 2002/03) e Deco (13, 2001/02) ficaram para trás, mas também o mais produtivo Pena (22, 2000/01) e a melhor versão de McCarthy (20, 2003/04), os dois anteriores portistas a sagrarem-se melhores marcadores do campeonato.
"Licha", que custou 6,8 milhões de euros ao FC Porto, está na 15.ª posição da Bota de Ouro, a classificação dos melhores goleadores dos campeonatos europeus, apesar de somente sete jogadores terem marcado mais golos que ele. Cristiano Ronaldo, que deverá conquistar o prémio, é um deles.