Resultados não oficiais

Oposição terá ganho presidenciais no Zimbabwe mas não evita segunda volta

Os resultados oficiais das presidenciais no Zimbabwe são divulgados amanhã mas tudo indica uma segunda volta
Foto
Os resultados oficiais das presidenciais no Zimbabwe são divulgados amanhã mas tudo indica uma segunda volta Howard Burditt/Reuters

O líder do maior partido da oposição do Zimbabwe, Morgan Tsvangirai, terá ganho as eleições presidenciais de 29 de Março. Mas por uma escassa margem em relação a Robert Mugabe, com uma diferença de 47 por cento para 43 por cento, o que significa que terá de haver uma segunda volta pois a escassa margem não chega para uma eleição directa.

Segundo fontes governamentais que não quiseram identificar-se, Mugabe quis adiar a divulgação destes resultados, que estavam prometidos para serem libertados amanhã, para tentar prolongar o seu poder que dura já há 28 anos no país.A indefinição e atraso na divulgação dos resultados mergulhou o país num clima de pressão, com a oposição a acusar Mugabe de perseguições e execuções camufladas.

Tsvangirai diz que o seu partido, o MDC, o Movimento para a Mudança Democrática, acredita que a diferença prova que o povo quer uma mudança de poder, mas que concorda com uma segunda volta se o acto eleitoral for acompanhado por observadores das Nações Unidas. Segundo a lei, se Tsvangirai se recusar a uma segunda volta Mugabe ganha automaticamente.

“Estes são os números oficiais e o MDC sabe disso mas quer inflacionar os resultados para reclamar uma falsa vitória”, disse um represneyante do partido do Governo, o ZANU-PF.

A Comissão Eleitoral não comentou esta fuga de informação. Os candidatos são esperados amanhã para verificar o apuramento de resultados. A oposição também não quis comentar.

Com uma economia a sofrer uma taxa de 165 mil por cento de inflação e com uma escassez de comida, combustíveis e de moeda estrangeira no país, o Zimbabwe acredita cada vez menos que estas eleições possam trazer uma reviravolta na economia nacional.

E o MDC acusa Mugabe de estar a levar a cabo uma política de repressão e violência para obrigar o povo a votar nele numa segunda volta, acusações que o Governo nega.

Da reunião dos países membros do Conselho de Segurança da ONU, realizada ontem, os membros recomendaram que se devia estudar o envio de uma missão para o Zimbabwe. Mas a ideia é entendida como “um acto de desespero do Reino Unido e dos seus fantoches do MDC”, disse Bright Matonga, Ministro da Informação, em declarações à Reuters. A ideia de enviar uma missão é apoiada pela UE e pelos EUA. Mas a África do Sul, que preside actualmente ao Conselho de Segurança, disse que a questão agora não é importante, decisão em que foi apoiada pela China, Rússia, Vietname e Líbia.

Sugerir correcção