Apesar das críticas

Comissão Europeia mantém meta dos biocombustíveis

A meta é conseguir dez por cento de biocombustíveis utilizados nos transportes
Foto
A meta é conseguir dez por cento de biocombustíveis utilizados nos transportes Rui Gaudêncio (arquivo)

A Comissão Europeia anunciou hoje que vai manter a sua meta de conseguir, até 2020, dez por cento de biocombustíveis nos transportes rodoviários, apesar das críticas por causa dos eventuais impactos no abastecimento alimentar.

A comunidade internacional, a braços com o aumento dos preços dos alimentos, receia que os solos agrícolas nos países em desenvolvimento passem a ser utilizados para produzir biocombustíveis.

O comissário europeu para o Ambiente, Stavros Dimas, disse à Reuters que a meta dos dez por cento será acompanhada por exigências rigorosas para evitar danos sociais. Mas os ambientalistas lembram que se a Europa definir verdadeiros critérios de sustentabilidade, a meta será impossível de alcançar.

Actualmente, um grupo de trabalho da União Europeia está a tentar definir critérios para limitar os prejuízos sociais dos biocombustíveis mas não lhe foi dada qualquer indicação para reconsiderar a meta dos dez por cento.

A 10 de Abril, o conselho científico da Agência Europeia para o Ambiente defendeu que a União Europeia deve suspender a meta dos dez por cento dos biocombustíveis utilizados nos transportes, até 2020.

Este conselho, composto por 20 cientistas independentes de 15 Estados membros, considera que a meta dos dez por cento é demasiado ambiciosa e terá efeitos “difíceis de prever e de controlar”. Por isso aconselha a sua suspensão e a realização de um novo estudo sobre os riscos e benefícios dos biocombustíveis, bem como a “definição de uma meta mais moderada e a longo prazo, se a sustentabilidade não puder ser garantida”.