Morreu Edward Lorenz, pai da Teoria do Caos

Foto
Aos 90 anos, Edward Lorenz manteve-se activo até duas semanas antes de morrer DR

Lorenz, meteorologista de formação, defendeu na década de 60 que pequenas alterações em qualquer sistema dinâmico, como a atmosfera, que bem conhecia, podem desencadear grandes transformações, mesmo a muitos milhares de quilómetros de distância. Em 1972 defendeu a sua teoria num estudo a que chamou: “Previsibilidade: o bater de asa de uma borboleta no Brasil pode originar um tornado no Texas?”

Nascido em 1917 em West Hartford, no Connecticut, Lorenz formou-se em matemática em Harvard, em 1940 e especializou-se depois em meteorologia no MIT entre 1943 e 1948. A inclinação para esta área surgiu quando cumpria serviço militar, durante a II Grande Guerra, onde trabalhou na previsão meteorológica para a Força Aérea norte-americana.

“Quando era pequeno fascinavam-me os números e as alterações do tempo”, disse um dia numa autobiografia. Kerry Emanuel, professor de ciências atmosféricas no MIT defende que Lorenz foi o motor daquilo a que chama a terceira revolução científica do século XX: “mostrando que certos sistemas determinísticos apresentam limites de previsibilidade, Lorenz cravou o último prego no caixão do Universo cartesiano e impulsionou aquilo a que podemos chamar a terceira revolução científica do século XX, abrindo caminho para a relatividade e para a física quântica”.

Sobre Lorenz, Emanuel acrescenta que “era um perfeito cavalheiro e, pelo seu nível de inteligência, integridade e humildade, elevou o seu padrão de valores, e o das gerações que com ele privaram, a um nível muito alto. Em 1991, quando ganhou o prémio Kyoto (que distingue quem contribui com a ciência, cultura e espiritualidade para o bem da humanidade), o júri defendeu a escolha do seu nome dizendo que a Teoria do Caos determinístico influenciou um conjunto vasto de ciências básicas e introduziu uma das mais dramáticas mudanças desde Newton sobre o modo como a humanidade vê a natureza”.

Lorenz, que até às duas últimas semanas de vida se manteve sempre activo, deixa três filhos e quatro netos.

Sugerir correcção
Comentar