Lançado concurso para obra com investimento de 260 milhões de euros

Sócrates considera a concessão Litoral Oeste "um investimento histórico para Leiria"

A nova concessão inclui obras como a ligação entre a A1 e a A8 ou entre Fátima e Nazaré
Foto
A nova concessão inclui obras como a ligação entre a A1 e a A8 ou entre Fátima e Nazaré Nelson Garrido (arquivo)

O primeiro-ministro, José Sócrates, considera que a concessão Litoral Oeste, que prevê a construção de estradas no valor de 260 milhões de euros nos distritos de Leiria e Santarém e cujo concurso público foi hoje lançado, "é um investimento histórico para Leiria" e uma "prova de confiança".

Em Leiria, onde lançou o concurso público para a concessão do Litoral Oeste (inclui intervenções no IC2 e construção do IC9, IC36 e das variantes de Alcobaça e Nazaré), José Sócrates sublinhou a relevância do investimento de 260 milhões de euros, que será adjudicado ainda este ano e que até 2011 irá traduzir-se em 85 quilómetros de novas estradas abrangendo nove concelhos dos distritos de Leiria e Santarém.

"É um investimento histórico no distrito de Leiria. Não me recordo de ter havido uma decisão de construir ao mesmo tempo 85 quilómetros de infra-estruturas rodoviárias absolutamente indispensáveis no distrito de Leiria, num único contrato, de uma única vez, de uma forma a afirmar um investimento público desta ordem de grandeza, para construir auto-estradas e vias rápidas", disse o primeiro-ministro.

Sócrates sublinha ainda que as ligações, "absolutamente estruturantes", são um "investimento decisivo para que Leiria possa dar o seu contributo à economia nacional", um "investimento público que se faz para que Leiria esteja à altura do que tem sido o potencial económico do distrito de Leiria e para responder ao investimento privado".

O chefe de Governo defende que os investimentos hoje lançados "há muito tempo deviam ter figurado no topo das prioridades" do Governo, porque "respondem aos principais problemas do distrito". "Se olharmos para os últimos 20 anos e para o que foi o dinamismo económico de Leiria, e esforço empreendedor de abertura de novos negócios e novos sectores para a economia nacional, há muito tempo que esta região teria merecido um investimento nacional que permitisse dotar o distrito de infra-estruturas que estivessem à altura do desenvolvimento do país", reforçou.

Os 260 milhões de euros a investir na concessão do Litoral Oeste são para Sócrates "uma prova de confiança no distrito de Leiria" e um "desafio" à sua estrutura económica, para "desenvolverem as suas actividades, para aumentarem os seus investimentos e olharem com mais tranquilidade e confiança o futuro".

Por outro lado, o primeiro-ministro sublinhou o impacto das novas vias na redução da sinistralidade, argumentando que "Portugal foi um dos países da União Europeia que nos últimos dez anos mais reduziu a sinistralidade". "Cada vez que lançamos estas concessões e cada vez que melhoramos as nossas estradas, estamos também a dar um contributo para a redução da sinistralidade, para o aumento da segurança rodoviária, no fundo para salvar vidas de portugueses", acrescentou.

260 milhões de euros para 80 kms

A nova concessão Litoral Oeste foi anunciada no final de Fevereiro pelo primeiro-ministro no Parlamento, inclui um pacote de obras há muito reivindicadas pela região, como a ligação entre a A1 e a A8 (IC36) ou entre Fátima e Nazaré (IC9).

Este conjunto de infra-estruturas rodoviárias inclui também com a variante da EN1 ao Mosteiro da Batalha, património da Humanidade, para tentar resolver os problemas de poluição junto ao monumento.

No caso do IC9, o troço de 29 quilómetros de estrada representa um investimento de 200 milhões de euros, enquanto que na variante ao Mosteiro da Batalha os 14 quilómetros de via terão um custo de 33 milhões de euros.

Já o IC36 terá um custo de 36 milhões de euros para 6,5 quilómetros, mas a via deverá ter portagens, já que tem um perfil de auto-estrada e visa ligar a A1 e a A8.

Esta solução tem sido criticada por autarcas e dirigentes políticos da região, considerando que o IC36 deveria ser considerada uma variante à cidade de Leiria, já que permite escoar muito do trânsito local que agora atravessa a malha urbana.