Alargada época de maior risco

Rui Pereira garante “exército" preparado e reforço de meios para combate a incêndios

O dispositivo abrange 56 meios aéreos, 2300 viaturas, e mais de 9600 homens e mulheres
Foto
O dispositivo abrange 56 meios aéreos, 2300 viaturas, e mais de 9600 homens e mulheres André Amaral (arquivo)

O ministro da Administração Interna disse hoje que Portugal tem um "exército" bem preparado para o combate aos incêndios florestais e garantiu que, este ano, vai haver "um reforço de meios". Rui Pereira falava na cerimónia comemorativa do Dia Mundial da Floresta, onde também esteve presente o ministro da Agricultura, Jaime Silva.

"Temos hoje um exército bem preparado para fazer frente a este fenómeno e o que temos de antemão preparado para este ano é um dispositivo que abrange 56 meios aéreos, cerca de 2300 viaturas, e que abrange mais de 9600 homens e mulheres", afirmou Rui Pereira. O ministro acredita que "tudo está devidamente preparado, está disposto no terreno e que continuará um bom espírito por parte de todos para que não haja fogos a lamentar".

No âmbito de uma directiva operacional de combate a incêndios, os meios operacionais ficarão disponíveis durante todo o ano, tendo sido criado a fase "Echo", que vai de 16 de Outubro a 31 de Dezembro. "Devido à lição que aprendemos no ano passado, porque mesmo fora da época de maior risco pode haver incêndios, designadamente aqueles que são provocados por comportamentos negligentes em queimadas, alargámos a época de maior risco em 15 dias, durante a chamada fase Echo", referiu.

Rui Pereira lembrou, contudo, que "não há época de incêndios". "O combate a incêndios é um combate que dura todo o ano e o que nós temos é uma época que coincide essencialmente com os meses de Verão, com os meses de maior calor, que é uma época de maior risco", acrescentou.