Criança foi assistida durante 40 minutos dentro de uma ambulância do INEM

Anadia: morte de bebé à porta do hospital abre discussão sobre o fecho das urgências

A população tem-se manifestado contra o fecho das urgências através de cartazes
Foto
A população tem-se manifestado contra o fecho das urgências através de cartazes Adriano Miranda/PÚBLICO (arquivo)

Um bebé de três meses morreu hoje à porta do Hospital de Anadia, dentro de uma ambulância do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica), apesar de também ter sido socorrida por uma viatura de emergência médica, entretanto solicitada. O movimento de utentes local atribui o incidente ao fecho das urgências neste hospital e fala em desencontro das viaturas de socorro, ideia refutada pelo INEM.

O presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) garantiu, também, que "não se pode" estabelecer uma relação entre a morte de um bebé em Anadia, hoje de manhã, e o fecho do serviço de urgências do hospital local.

Segundo José Paixão, do movimento "Utentes para a Saúde", que tem promovido os protestos contra o encerramento da urgência em Anadia, "a ambulância do INEM não tinha pessoal especializado e teve de esperar pela viatura de emergência médica, havendo um desencontro entre as viaturas".

Pedro Coelho dos Santos, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), negou que tenha havido qualquer desencontro entre a ambulância do INEM colocada em Anadia e a viatura de emergência médica e esclareceu que "foram os pais que se dirigiram para o Hospital de Anadia, onde a criança não foi assistida porque não tem urgência".

"Quando os pais ligaram para o 112 já estavam a caminho do hospital. De acordo com o que descreveram, encontraram o bebé, de dois meses, roxo e sem respirar, quando o foram buscar à cama e no decurso da chamada telefónica foram accionadas a ambulância do INEM e a viatura de emergência médica", esclarece o porta-voz do INEM.

De acordo com a mesma fonte a ambulância estava a três minutos do local, pelo que se encontrou com os pais do bebé no parque de estacionamento do Hospital de Anadia. A criança foi passada para a ambulância e foram iniciadas imediatamente as manobras de reanimação, que contaram com uma equipa de quatro elementos. Quanto à viatura de emergência médica, partiu do Hospital dos Covões naquela direcção e, passados 15 minutos, estava no local, acrescentou.

"Estiveram cerca de 40 minutos em manobras de reanimação, com suporte avançado de vida e ainda assim transportaram o bebé para o Hospital Pediátrico de Coimbra, mas infelizmente já não foi possível salvá-lo", disse.

Presidente da Junta de Freguesia de Anadia critica socorro à vítima

O porta-voz do INEM lamenta o sucedido, mas considera que "a emergência médica funcionou com os meios adequados e no momento certo", ideia corroborada pelo presidente da ARSC. Fernando Pina, presidente da Junta de Freguesia de Anadia, estava no local, por volta das 09h00, e presenciou os acontecimentos: "O que vi foi a ambulância do INEM parada no acesso ao Hospital e um carro da emergência médica que veio de Coimbra para prestar assistência".


Segundo Fernando Pina, as viaturas juntaram-se nas imediações do Hospital de Anadia, "que teria outras condições, mas não deixaram a criança entrar e esteve quase meia hora a ser assistida na ambulância". "Vi os médicos e enfermeiros do Hospital de Anadia a assistirem das janelas, impotentes, ao que se passava, e na ambulância os profissionais fizeram o que puderam no meio da estrada, mas não conseguiram resolver a situação", descreveu o autarca.

Este é o segundo caso em menos de 24 horas de um bebé que morre numa ambulância, a caminho do hospital. Ontem, uma menina também com três meses de idade chegou cadáver ao Hospital de São Teotónio, em Viseu, após ter sido transportada do Centro de Saúde de Carregal do Sal, numa ambulância dos Bombeiros de Cabanas de Viriato, ao colo da mãe.