Clandestinos dizem que quem os transportou também trazia droga

Imigração: Cidadãos africanos que alcançaram Portugal partiram de Marrocos e foram deixados à deriva pelo dono do barco

Os imigrantes foram abandonados perto da costa algarvia
Foto
Os imigrantes foram abandonados perto da costa algarvia Virgilio Rodrigues

Os 23 cidadãos de origem africana que foram detectados segunda-feira junto à Ilha da Culatra partiram de Kenetra, a 40 quilómetros de Rabat, Marrocos, e terão viajado durante cerca de quatro dias até alcançar o Algarve numa pequena embarcação a motor.

De acordo com fonte hospitalar, o estado de saúde das três pessoas que permanecem internadas e que estão a fazer tratamentos para combater a desidratação "não é preocupante" e a alta está prevista para quarta-feira.

Segundo o tradutor, no início, a viagem estava a ser negociada com 30 pessoas, mas algumas tiveram que ser excluídas devido às pequenas dimensões da embarcação, sendo que cada imigrante pagou entre 300 a 1000 euros para fazer a travessia.

Ao segundo dia de navegação, esgotaram-se os mantimentos e o dono da embarcação pediu apoio por telefone e duas lanchas tripuladas por seis pessoas foram ao encontro do barco para os abastecer de água, combustível e alimentos.

Segundo disse o tradutor que está a colaborar com o SEF neste processo, Mohamed Moctar, os imigrantes alegam que as lanchas que prestaram apoio à embarcação estavam carregadas com droga.

Quando o barco com os imigrantes se aproximou da costa algarvia, o dono fez novo telefonema e foi levado por uma lancha, deixando os imigrantes no mar.