Apesar de Hillary ser a favorita nas primárias

Apoio de Oprah Winfrey a Barack Obama pode baralhar dados eleitorais nos EUA

Diariamente, Oprah alcança uma audiência de cerca de dez milhões de pessoas
Foto
Diariamente, Oprah alcança uma audiência de cerca de dez milhões de pessoas Chris Keane/Reuters

Mais de 30 mil pessoas estiveram no estádio de futebol da Universidade da Carolina do Sul para o maior comício (até agora) da campanha democrata para a nomeação para a Casa Branca. Mas foram ver Barack Obama, o senador do Illinois que quer ser Presidente dos Estados Unidos, ou Oprah Winfrey, a super-estrela televisiva que apoia a sua candidatura?

Segundo a imprensa norte-americana, reunir mais de dez mil pessoas num comício das primárias é um feito inédito na política dos Estados Unidos. "Podia dizer que é algo sem precedentes, mas a expressão não descreve exactamente a magnitude do que assistimos aqui", comentou Dick Harpootlian, o antigo presidente do Partido Democrata na Carolina do Sul e um entusiasta apoiante de Obama.

"Será que ele é a pessoa certa? Eu acredito que ele é a pessoa certa!", animou Oprah Winfrey, que já foi classificada como a "irmã mais velha da América", tal é a atenção com que as audiências seguem os seus conselhos. Usando a mesma linguagem a que recorre nos seus programas televisivos, Oprah evitou falar de propostas e políticas para se concentrar em sentimentos e emoções. Os eleitores não têm de se contentar com o "normal" ou o "inevitável". "Votem no sonho e façam-no acontecer", desafiou.

Diariamente, Oprah alcança uma audiência de cerca de dez milhões de pessoas. Até agora, a comunicadora manteve-se arredada da vida política activa, "desiludida e desencorajada". Mas, como explicou, agora sente-se "inspirada por um candidato que faz acreditar que uma nova visão é possível".

Mas porque é tão importante para as campanhas políticas contar com o apoio das figuras do espectáculo e entretenimento? Será que o star power que garante vendas e audiências também se pode reflectir em votos? Oprah é uma das personalidades em quem os americanos mais confiam: os analistas admitem que o seu envolvimento na campanha de Obama pode vir a "baralhar" a actual matemática eleitoral nos Estados Unidos. Por exemplo, Oprah exerce uma profunda influência sobre as mulheres, grupo particularmente sensível à campanha de Hillary Clinton. No estado do Iowa, onde arranca o calendário eleitoral com os caucuses (assembleias) de dia 3 de Janeiro, metade dos eleitores são mulheres - e Hillary, que estava à frente nas sondagens, acaba de ceder o seu lugar na liderança a Obama.

Na Carolina do Sul, outro dos estados fundamentais nas primárias, quase 50 por cento dos eleitores são negros. Não admira, portanto, que, para contrariar o ascendente da dupla Obama-Winfrey, a campanha de Hillary tenha enviado para o terreno o antigo Presidente Bill Clinton, um dos políticos mais queridos entre o chamado "eleitorado afro-americano" (foi mesmo designado "o Primeiro presidente negro da América").