Morreu Tony Wilson, o homem que pôs Manchester no mapa do pop britânico

O fundador da Factory Records, que editou bandas como Joy Division, Happy Mondays e New Order, faleceu aos 57 anos na sua cidade. Tinha cancro renal

a Ele costumava dizer que algumas pessoas fazem dinheiro, outras fazem história. Ele, Tony Wilson, fundador de dois projectos míticos da cena musical britânica - a editora Factory Records e o clube nocturno Hacienda -, faleceu num hospital de Manchester na sexta-feira à noite, aos 57 anos, após quase 18 meses de batalha contra o cancro renal. Quando não respondeu à quimioterapia, no ano passado, o sistema de saúde inglês recusou suportar os custos de outros tratamentos oncológicos. As drogas alternativas custavam mais de cinco mil euros por mês. Tony Wilson não tinha dinheiro. Mas não deixava de ser Tony Wilson, o homem que influenciou a indústria musical britânica dos anos oitenta, tendo promovido bandas como os Joy Divison (e, mais tarde, feito o luto de Ian Curtis, os New Order), Durutti Column e Happy Mondays. Fez história. E os seus colegas e amigos pagaram as despesas no Hospital Christie.
"Eu costumava dizer que algumas pessoas fazem dinheiro, outras fazem história - uma frase que é muito engraçada até você perceber que não tem dinheiro para se manter vivo", afirmou Tony Wilson, citado pelo Independent, indignado por não ter como pagar os serviços de saúde.
Em declarações à BBC, Robert Hawkins, o médico que o acompanhava, lamentou que tecnicamente a sua morte tenha sido provocada por um ataque cardíaco sofrido na semana passada. "É muito triste. A causa da sua morte foi algo que não estava directamente relacionado com o cancro. O seu cancro estava a responder bem ao novo tratamento, embora obviamente o seu estado de saúde também tenha contribuído", afirmou o clínico.
No filme 24 Hour Party People (Michael Winterbottom, 2002), a personagem principal era o próprio Tony Wilson, interpretado pelo comediante Steve Coogan. A obra reconstrói a chamada vaga "madchester", dando oportunidade aos que nunca entraram no famoso Hacienda, encerrado há dez anos, de ter ao menos uma ideia de como se cruzaram no mesmo local tantas bandas de sucesso.
Através da narração da personagem de Tony Wilson, conseguimos construir uma imagem mental do bar ao fundo, onde as drogas eram mais consumidas do que as bebidas, da bancada superior e das escadas que conduziam à sala pequena dos concertos. Ali tocaram não só os Joy Division, mas também os Smiths, os Oasis e os Stone Roses.
Anthony Wilson nasceu em 1950 na cidade de Salford. Estudou Literatura Inglesa na Universidade de Cambridge, regressando depois à região onde cresceu. Além de empresário e produtor musical, Tony trabalhou como jornalista e apresentador de televisão.