Denuncia organização

Mais de metade das baleias capturadas pelo Japão na Antárctica estavam prenhas

Uma das três baleias-comuns também estava prenha
Foto
Uma das três baleias-comuns também estava prenha Issei Kato/Reuters

Das 505 baleias-anãs capturadas pela frota japonesa nas águas antárcticas na época de 2006/2007, 262 estavam prenhas, denuncia a organização Humane Society International (HSI), com base na análise dos registos japoneses.

Em comunicado, a organização acrescenta que uma das três baleias-comuns também estava prenha.

“Estas estão estatísticas cruéis que o Governo japonês disfarça de ciência”, comentou Nicola Beynon, da HSI.

Apesar da moratória à caça comercial à baleia, imposta em 1987 pela Comissão Baleeira Internacional, o Japão continua a caçar baleias, alegando fins científicos, uma das poucas excepções previstas pela comissão.

Há três anos que a HSI tem a decorrer no Tribunal Federal australiano um processo contra a empresa nipónica Kyodo Senpaku Kaisha sobre as alegadas violações à legislação de Camberra pelos caçadores japoneses no santuário situado a 160 quilómetros da costa da Antárctida e dois mil quilómetros a Sul da Austrália.

A organização espera que uma sentença do tribunal ponha fim à caça no santuário em águas australianas, antes do início da próxima caça à baleia.

“Os australianos ficam horrorizados ao saber que baleias prenhas, que vivem nas águas quentes australianas, serão alvo dos caçadores japoneses este Inverno”, acrescentou Beynon.