Em que diferem os serviços da PSP e da GNR

Quais as principais diferenças entre a PSP
e a GNR?
A PSP é uma força policial, enquanto a GNR é militarizada, regendo-se pelos estatutos aplicados aos militares. Enquanto a primeira força de segurança está vocacionada para trabalhar nas zonas urbanas, a segunda tem distribuído o policiamento em áreas rurais. A nível de comandos, a PSP tem à sua frente um magistrado. A GNR é chefiada, desde sempre, por generais oriundos Exército. Tem 14 militares da mais alta patente nos seus quadros.

Mas executam as duas as mesmas tarefas?
Não. Tal só acontece parcialmente. A GNR, através da Brigada de Trânsito, tem ainda a incumbência de controlar todo o tráfego automóvel fora dos aglomerados urbanos. Além disso, possui o Serviço Marítimo, onde os seus efectivos exercem o controlo e vigilância em toda a costa e numa extensão de 12 milhas. A GNR tem ainda o Serviço de Protecção da Natureza - a recolha de aves mortas, quando do surto de gripe das aves foi uma das diversas tarefas que lhe foi distribuída - e equipas especializadas com competências para combater as infracções tributárias, fiscais e aduaneiras.

Estas forças limitam-se a fazer prevenção e patrulhamento ou também podem investigar?As leis orgânicas da PSP e GNR possibilitam que estas forças façam investigação criminal. Possuem, no entanto, algumas limitações legais nesta área, uma vez que a lei determina que em casos como os homicídios, o grande tráfico, o terrorismo ou os crimes económicos, entre outros, seja da Polícia Judiciária a competência.

A GNR possui efectivos suficientes para vir a ocupar os lugares de onde vai sair a PSP?A GNR possui, actualmente, cerca de 4000 efectivos a mais do que a PSP. Tal não significa, no entanto, que possa vir a instalar-se com contingentes superiores aos que são assegurados pela PSP. Os estudos existentes referem que para duas áreas com a mesma população a GNR tem apenas um terço do pessoal da PSP.

Mas a GNR, sendo uma força rural, está igualmente nas grandes cidades...Sim. A GNR tem em Lisboa cerca de 8000 efectivos. São militares que se encontram afectos, quase na totalidade, a tarefas administrativas. De resto, no total 26.000 efectivos, a GNR possui mais de um terço a desempenhar tarefas administrativas e de chefia.