Uma pintura do século XVI para rezar em casa

Museu de Arte Antiga organiza exposição para mostrar última aquisição importante. Um Frei Carlos completamente desconhecido pintado para a devoção privada

Jesus Cristo está a chorar. Várias lágrimas, oito, escorrem-lhe pela cara. A luz incide sobre elas. Algum sangue surge entre os lábios. O novo Ecce Homo do Museu de Arte Antiga, uma pequena pintura, com 40 centímetros de altura e 30 de largura, é uma obra para se ver muito de perto.Frei Carlos, o pintor monge do século XVI, fê-la exactamente a pensar nessa proximidade. Fê-la também a pensar que a pudessem levar de um lado para o outro, como um Livro de Horas. "As pessoas meditam, rezam, oram em frente a estas imagens. É uma devoção mais humanista. O homem pode rezar sozinho", diz José Alberto Seabra, comissário da exposição Frei Carlos e o Belo Portátil que hoje é inaugurada, às 18h, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.
Esta pequena exposição temporária junta 30 obras, 23 das quais são pinturas com esta dimensão pequena. "É essa tipologia de pequeno formato que dá à peça um carácter portátil." O quadro recém-adquirido pode ter sido pintado para um prior de um convento o utilizar e apreciar em privado. "Estas peças querem estimular um diálogo piedoso com o sagrado numa dimensão privada. É o que nos diz o Ecce Homo do ponto de vista material, mas não há lastro do ponto de vista histórico." Não se sabe de onde vem, a não ser que estava no século XIX na colecção privada de Jorge O"Neill, em Lisboa.
A pintura, diz o comissário, tem um enorme poder comunicativo com o observador. "Há um realismo sereno na figura. Tem o sangue a escorrer e está como se nada fosse. Mas não deixa de ser fortemente dramática, porque a associamos ao heroismo de Cristo. O diálogo emotivo concentra-se no olhar directo de Cristo, profundamente humanista." Essa intenção interpelativa, de experiência imediata com a divindade, tem também um carácter sensorial.

O mais poético dos luso-flamengos
Estas peças de devoção privada são o inverso dos grandes retábulos das igrejas - Frei Carlos pintou vários, alguns encomendados pelo rei D. Manuel I -, que podemos considerar a arte pública da época. Ao contrário dos retábulos, onde há uma narrativa detalhada, no Ecce Homo não há representação do espaço ou do tempo. Estas imagens de devoção privilegiam a figura de Cristo e da Virgem Maria, num retrato em busto ou meio-corpo.
Frei Carlos é uma das figuras lendárias da pintura portuguesa. José Alberto Seabra diz que a descoberta desta pintura "foi uma surpresa fortíssima". É "inconfundivelmente" um Frei Carlos no estilo e terá sido pintada na década em que esteve mais activo, os anos 20 e 30 do século XVI. "Tem essa característica dos bons pintores flamengos, como Van Eyck e Roger Van der Weiden: consegue um apurado realismo da forma e simultaneamente uma idealização poética. Junta o real com o ideal." As mãos é o que mais impressiona José Alberto Seabra no quadro. "Parecem as de uma Madona. Ele é o mais poético dos luso-flamengos."
Frei Carlos é entre os pintores três luso-flamengos da época - além dele há Francisco Henriques (o favorito do rei) e o Mestre da Lourinhã - o que melhor domina a perspectiva, uma visão racionalizada do espaço, como se vê nos retábulos. São estes três, aliás, os melhores pintores em Portugal no início do século XVI. Frei Carlos terá estudado em Bruges ou Antuérpia e vem para Portugal porque cá há trabalho.
O primeiro documento que se conhece sobre o monge-pintor é aquele que diz que professa no Convento do Espinheiro, em Évora, em Abril de 1517. "Eu Frei Carlos de Lisboa flamengo faço profissão..." Em 1540, sabe-se que terá morrido, porque outro documento refere o destino a dar ao espólio que estava na sua cela. Depois, várias crónicas falam-nos da sua fama como pintor.
"Ele tem uma produção em circuito fechado. Terá só feito obras para os conventos da sua ordem, a dos monges de São Jerónimo." O Espinheiro, mas também os Jerónimos em Belém, Santa Marinha da Costa em Guimarães ou a Pena em Sintra. A oficina de Frei Carlos, instalada no Convento do Espinheiro, é a única em Portugal, na sua época, que faz estas imagens de devoção, chamadas imago pietatis.
Nos Países Baixos, estas pinturas devocionais de pequeno formato são comuns desde o século XV. "É um filão que nunca mais se esgota", diz Seabra. Quem não tem dinheiro compra gravuras, que se tornam o veículo de democratização das imagens sagradas.
A directora do museu, Dalila Rodrigues, diz que esta exposição temporária - extraprogramação, porque a pintura foi comprada em Maio - tem um modelo que quer repetir. "O formato desta exposição deve pontuar a programação anual. Apresentar uma nova obra - reflectindo uma questão essencial que é o alargamento da colecção - com os resultados do estudo das suas componentes materiais e criativas. Esta explora, por exemplo, uma noção essencial da história da arte, a emergência e a importância da imagem devocional."