Para transporte de medicamentos líquidos na cabina

Para transporte de medicamentos líquidos na cabina: Passageiros de aviões aconselhados a apresentar receitas médicas em inglês ou francês

Fotogaleria
O instituto que regula a aviação diz que esta é uma sugestão que decorre das novas regras de segurança aplicadas à aviação civil David Clifford/PÚBLICO (arquivo)
Fotogaleria

A sugestão do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC) insere-se no âmbito das novas regras de segurança na aviação civil.

"Dependendo do país para onde se vá viajar, é recomendável que o atestado médico, ou a receita médica, seja, também, escrita em inglês ou francês", salienta o INAC.

Isto porque todos os medicamentos que se encontrem em estado líquido e que não possam ser transportados na bagagem de porão só poderão seguir na cabina se forem acompanhados por um atestado ou declaração médica, esclareceu o INAC numa nota divulgada ontem.

Nos casos em que a receita médica fica na farmácia, o INAC aconselha os passageiros a solicitarem ao médico que passe um atestado ou que fotocopiem previamente a receita.

No caso dos medicamentos injectáveis, é necessário "solicitar ao INAC, através de email, carta, fax, ou em mão, uma autorização especial para transporte da seringa e do medicamento a injectar como bagagem de cabina, apresentando para o efeito um atestado médico que comprove que o passageiro necessita do medicamento, assim como, mencionar o número do voo, data, companhia aérea, destino e identificação do passageiro", esclarece o instituto.

Os medicamentos sólidos, como comprimidos e pastilhas, não têm restrições nem requerem qualquer prescrição/atestado médico ou prova, acrescenta o INAC.