Avant la Corrida "Como é que toda esta beleza não era óbvia?"

Dois meses de trabalho devolveram ao quadro de Amadeo o brilho, a cor e o volume que o tempo e intervenções anteriores tinham escondido. Carmen Almada diz que o restauro chegou a meter medo

Nos corredores estreitos do atelier de Carmen Almada há dezenas de quadros e molduras encostados às paredes. Nas salas, pinturas e esculturas esperam que chegue a sua vez de passar para as mãos cuidadosas dos técnicos de conservação e restauro. "Aqui estamos a tentar criar um ambiente seco para começar a aplicar o verniz nas pinturas", diz Carmen Almada, conservadora e sócia do atelier Junqueira 220, a empresa que acaba de restaurar 24 quadros de Amadeo de Souza-Cardoso para a exposição que o Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão vai inaugurar. Um aquecedor a óleo e um secador de cabelo combatem a humidade na pequena sala onde, neste dia, havia várias telas do modernista português sobre os estiradores. Hoje, os quadros estão já nas reservas da Fundação Gulbenkian, prontos para serem pendurados ao lado de outros de Archipenko, Malévitch ou Modigliani.
Carmen Almada, com longa experiência no restauro de obras de Amadeo para a Gulbenkian (cerca de 30), garante que Avant la Corrida (1912), a pintura que a fundação comprou este ano a um coleccionador americano e que ocupa um cavalete noutro espaço do atelier, foi um dos maiores desafios da sua carreira.
"Já tínhamos feito muitos trabalhos de conservação e restauro em Amadeos para o Centro de Arte Moderna, mas nenhum tão complexo como este. Foi muito difícil. Chegámos a levar um dia inteiro para limpar três ou quatro centímetros", explica, garantindo que nesta, como em muitas outras obras de Amadeo, se sente a "lógica implacável" do pintor: "É um artista exigente que tem um projecto rigoroso para cada tela. Nesta cena de preparativos para a tourada, Amadeo não se limita a representar os vários intervenientes, cria uma atmosfera de festa que parece cuidadosamente programada pela relação entre as figuras."

O quadro que "meteu medo"Quando Avant la Corrida chegou ao atelier da Junqueira, Carmen Almada não ficou preocupada com o suporte (a tela e a preparação estavam em bom estado). O maior problema do quadro era a imagem - estava totalmente manchada e tinha um tom acinzentado. "Parecia plano, não tinha qualquer efeito de volume ou contraste entre as cores."
As primeiras observações permitiram identificar duas camadas: uma de verniz que amareleceu com o tempo e que é muito comum, e uma velatura cinzenta (ligeira mão de tinta com mais ligante que pigmento, que deixa transparecer a que está por baixo), menos frequente e que estava bastante entranhada. Foram precisos dois meses de análises, feitas pelo bioquímico Andrés Sánchez Ledesma, do laboratório ArteLab, em Madrid, para chegar à conclusão que a velatura cinzenta não tinha sido aplicada pelo próprio Amadeo.
"Tomar a decisão de a retirar, assumindo que não tinha sido uma acção intencional do pintor mas uma espécie de filtro que resultou de uma intervenção de restauro posterior, foi o mais difícil. Este quadro chegou a meter medo [risos]."
A equipa de Carmen Almada, com destaque para Rocío Ozores, trabalhou no restauro dois meses. Só depois se apercebeu do "fantástico potencial de cor" de Avant la Corrida, dos seus vermelhos e verdes.
"Durante o restauro houve uma grande sensação de fascínio, que crescia à medida que o quadro se ia libertando da camada cinzenta. Como é que toda esta beleza não era óbvia?", pergunta Carmen Almada, apontando para o quadro restaurado. "Quando entrou na fase final, parte desse fascínio desapareceu porque agora, ao olharmos para a pintura, temos a sensação de que ela sempre esteve assim. Perdemos parte do fascínio porque perdemos o contraste que existia quando tínhamos um cavalo limpo ao lado de outro por limpar."
Ao pegar nos pincéis para dar os últimos retoques, a conservadora mostra-se ainda mais certa da qualidade do pintor: "Amadeo era muito cuidadoso e perfeito na maneira de pintar. Tem uma belíssima mão, segura em técnicas muito variadas."