Médio Oriente

Parlamento espanhol aprova envio de 1100 soldados para o Líbano

A força de militares espanhóis vai reforçar a UNIFIL no Líbano
Foto
A força de militares espanhóis vai reforçar a UNIFIL no Líbano Wael Hamzeh/EPA

O Parlamento espanhol aprovou esta tarde, por unanimidade, o envio de 1100 soldados para o Líbano. Os primeiros elementos poderão partir amanhã.

A decisão obteve 306 votos a favor e duas abstenções. Não houve votos contra.

O ministro espanhol da Defesa, José Antonio Alonso, disse que um primeiro grupo de 490 homens da infantaria da Marinha e 76 soldados do Exército terrestre estão prontos para partir imediatamente para reforçar a UNIFIL.

“Esta é uma operação de paz. É uma operação difícil, com riscos evidentes devido à precariedade da situação na zona”, disse Alonso no Parlamento.

José Luis Rodriguez Zapatero, chefe do Governo espanhol, apoiou o envio do contingente espanhol para o Líbano, lembrando que a “força de manutenção da paz não é o único instrumento para a paz”.

“A política é essencial e a diplomacia deve ter um papel primordial”, comentou Zapatero.

Todos os partidos representados no Parlamento apoiam envio de soldados

Todos os grupos políticos representados no Parlamento anunciaram o seu apoio a esta operação no Líbano.

O Partido Popular (PP, oposição de direita) disse que apoia o envio de tropas para o Líbano de forma “crítica e vigilante” e acusou o Governo de não reconhecer que esta é, verdadeiramente, uma missão perigosa, que implica o “uso da força”.