Jerónimo Martins acompanha Unilever e sai dos congelados

A Jerónimo Martins (JM) vai sair do negócio de congelados, detido no âmbito da participação na histórica joint-venture com a anglo-holandesa Unilever na empresa Iglo/Olá. Uma operação que decorre na sequência da venda pela Unilever do grosso da sua divisão de congelados na Europa, onde opera com as marcas Iglo e Birds Eye, comunicada ontem ao mercado.A compradora é o fundo de investimento Permira Funds, e a Unilever, cuja decisão de venda foi tomada em Fevereiro, irá encaixar com o negócio 1,73 mil milhões de euros, um valor no intervalo superior das estimativas dos analistas.
A JM, contactada pelo PÚBLICO, recusou avançar o montante de encaixe previsto, adiantando apenas que a área de negócio dos gelados irá manter-se em carteira e que a saída dos congelados será negociada directamente com a Unilever. A JM tem 26 por cento desta parceria, estando o restante capital nas mãos da Unilever. Os analistas admitiam ontem que o encaixe para a JM rondará os 10/15 milhões de euros. A área dos congelados representa 25 por cento da parceria com a Unilever, tendo as vendas da Iglo/Olá contribuído com 33 milhões de euros para as contas da distribuidora portuguesa em 2005.
A Unilever acordou a venda do negócio à Permira Funds na Europa e irá agora negociar com cada parceiro local da Iglo - Portugal, Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda e Inglaterra - a alienação das suas participações. De fora deste negócio fica a Itália. A Unilever partilha com a JM o capital da Fima, da Leverelida e da Iglo/Olá. A.C.