Vaca do Jarmelo tem interesse municipal

Como se de um desfile de misses se tratasse, vacas, cabras e ovelhas vão desfilar este domingo na feira-concurso do Jarmelo, certame que visa defender a raça jarmelista

Desde 27 de Abril deste ano que as raças autóctones do Jarmelo são consideradas de interesse municipal. A proposta apresentada pelo deputado Agostinho da Silva, presidente da junta de freguesia local, foi aprovada por unanimidade pela Assembleia Municipal da Guarda. Os defensores da vaca jarmelista acreditam que esta decisão poderá ser mais uma forma de pressão para conseguirem a ansiada certificação da raça. Agostinho da Silva espera que a classificação de interesse municipal não fique "apenas no papel", sustentando que tem que haver "uma aposta séria do município, nomeadamente na organização da feira-concurso".Na proposta que fez na assembleia municipal, o autarca pediu ao executivo camarário para assumir aquele evento como uma "âncora/referência regional", sugerindo mesmo que, "quem sabe num rasgo de atrevimento, numa parceria com o Jarmelo, avance um projecto de um espaço onde as raças possam ser vistas perto do seu solar de origem, dando seguimento ao desafio do site http://www.jarmelo.com e de modo a que os cibernautas possam adoptar um animal comunitariamente".
Depois de, ironicamente, considerar que "a extinção é, porventura, a melhor solução para o problema", Agostinho da Silva assegura que tudo fará para "manter viva a chama da ilusão desta luta", salientando que "se um grupo de maníacos não tivesse agarrado a ideia de tentar lutar por ela, quem sabe se nuestros hermanos não estariam disponíveis para, num relance de audácia que os caracteriza, formar mais uma raça oriunda de Espanha (comprando os poucos animais que tínhamos) para nós a comermos como ternera certificada, depois de a terem levado de um sítio onde era mal amada".
O estudo divulgado o ano passado pela Direcção-Geral de Veterinária concluía que existem 24 vacas com diferenças comparativamente às outras raças, mas ainda há um longo caminho a percorrer até se poder falar em raça jarmelista. Até essa altura, os técnicos tinham apenas identificada uma pequena população de animais diferentes, sendo depois necessário começar a apurar a raça para depois ficar definida no livro genealógio. O próprio estudo feito pela DGV às vacas existentes no Jarmelo refere que é perfeitamente visível a diferença entre as vacas jarmelistas e as mirandesas. Fátima Sobral, um das técnicas daquele organismo, adiantou na ocasião ao PÚBLICO que, "utilizando a técnica denominada por taxinomia numérica, baseada em características morfológicas, concluiu-se que havia uma separação entre as populações que foram estudadas". "As características externas apresentam diferenças comparativamente às outras raças, sobretudo a mirandesa, que é a mais próxima", salientou, por seu lado, Lola Navais, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e das Pescas. Agora, vai ser feito um estudo genético, mas, como admite a própria técnica, "vai ser muito difícil encontrar diferenças genéticas, porque as nossas raças sempre foram seleccionadas pelo aspecto, pela morfologia".
Lola Novais disse também que "transformar o pequeno núcleo de 24 vacas numa raça é um trabalho muito lento, sendo primeiro necessário redefinir as características". "Por enquanto, só podemos dizer que há uma população que se difere pelas suas características", considera a técnica. Mass admite que, "se se continuar a trabalhar, se se estabelecerem parâmetros produtivos, com o tempo é possível chegar a dizer que há uma raça jarmelista".
Vacas, cabras e ovelhas vão apresentar-se hoje, na feira-concurso do Jarmelo. O tradicional certame, que já vai na sua 23.ª edição, visa, mais uma vez, chamar a atenção para a necessidade de impedir a extinção da raça bovina jarmelista.
Durante a feira-concurso, organizada pela Junta de Freguesia de São Pedro do Jarmelo e pela associação cultural e desportiva local, está prevista a divulgação pela Direcção-Geral de Veterinária dos estudos já realizados no sentido da certificação da vaca jarmelista. A jarmelista "é uma vaca forte, com a cabeça larga, a marrafa grande e os quadris largos", distinguindo-se da mirandesa pelo facto de ser produtora de leite, adianta Agostinho da Silva, presidente da Junta do Jarmelo.
O certame, para o qual está prevista a presença de mais de trinta criadores, conta ainda com diversas exposições e actividades de animação: gaiteiros, pauliteiros, bombos e gigantones. Para quem gosta de desportos radicais, estará disponível junto à Casa-Museu do Jarmelo uma parede de escalada montada pelo Clube de Montanhismo da Guarda. Junto ao edifício-sede da Junta de Freguesia do Jarmelo, decorrerá ainda uma pequena mostra de artesanato representativa das aldeias mais próximas da região. O certame termina à tarde com a tradicional garraiada.
Durante a jornada de festa em prol da defesa da raça jarmelista, prevê-se a divulgação de mais alguns resultados da investigação já feita pela Direcção-Geral de Veterinária, tendo em vista a criação de um livro de registo genealógico da vaca jarmelista.
Depois de, no passado dia 27 de Abril, a Assembleia Municipal da Guarda ter aprovado por unanimidade uma proposta, apresentada pela Junta de São Pedro do Jarmelo, para que a raça bovina jarmelista "fosse classificada" como tendo interesse municipal, a 23.ª edição da feira-concurso será, salienta Agostinho da Silva, presidente da junta, "novamente uma boa oportunidade para relançar esta nobre causa".
"Os criadores do Jarmelo necessitam de continuar a sentir o apoio de todos na sua luta diária", salienta, apelando por isso para que "todos os visitantes vistam uma t-shirt da vaca jarmelista, passando simbolicamente a trazer essa notável raça no seu peito". "Será uma forma de se mostrar o apoio às raças do Jarmelo", frisa Agostinho da Silva.