Revista britânica Smash Hits despede-se no dia 13

Rádio digital, um canal de televisão e um site com o mesmo nome vão manter-se no mercado

Nos anos 80 a revista Smash Hits vendia regularmente meio milhão de exemplares. A publicação quinzenal vivia à base de posters de estrelas pop, mexericos dos cantores, entrevistas, reportagens de concertos, lançamentos de novos discos, e letras das canções para adolescentes. Chegou mesmo a ter edições com vendas muito superiores, como foi o recorde de uma em 1989, em que Kylie Minogue dividia a primeira página com Jason Donovan, comprada por mais de um milhão de leitores.Agora que tudo isso está à distância de um click num computador, a Smash Hits vende "apenas" 120 mil revistas e a empresa já assinou a morte do título: o último número sairá na segunda-feira da próxima semana, dia 13. A quebra sistemática das vendas, e por consequência da publicidade, ditou a sua sorte. A audiência começou a ficar cada vez mais nova, dominada por pré-adolescentes, ao passo que "as leitoras jovens migraram para novas plataformas para satisfazerem os seus interesses musicais".
"A Smash Hits revolucionou o mundo das publicações para adolescentes quando foi lançada, em 1978. Mas 28 anos depois, o mundo está muito diferente e o papel e a relevância da revista mudou", afirmou o director-geral do grupo Emap Metro (que detém o título), Marcus Rich, citado pela Reuters.
O sucesso do título britânico foi tal que à luz da marca Smash Hits foi criada uma rádio digital, um canal de televisão e um site, que se manterão - Rich diz mesmo que o encerramento da revista permitirá que a empresa "concentre os seus recursos no desenvolvimento das restantes plataformas". Todos os anos se realizava um festival com os artistas escolhidos pelos leitores. Nos anos 80, aparecer na capa da Smash Hits era tão importante como uma ida ao programa Top of the Pops, da BBC.
A revista foi também ponto de partida para a fama de alguns cantores: o vocalista dos Pet Shop Boys, Neil Tennant, escreveu na Smash Hits no início da década de 80, antes de se dedicar à música. O anúncio do encerramento motivou comentários saudosos de cantores e antigos directores na imprensa britânica, que reconhecem, no entanto, que a época da Smash Hits "já passou".