CP acaba com comboio Intercidades para a Régua

Mais transbordos e comboios mais lentos no Minho e no Douro a partir de 11 de Dezembro. Autarcas contestam perda de qualidade do serviço

O serviço Intercidades vai desaparecer da Linha do Douro depois de, há quatro meses, a CP ter previsto reforçá-lo com mais duas circulações diárias. O comboio com mais qualidade que liga o Porto à Régua deverá realizar-se pela última vez no dia 10 de Dezembro porque no dia seguinte entra em vigor o horário de Inverno que reforça o serviço regional em detrimento de marchas mais rápidas.Os tempos de percurso vão aumentar, ficando a Régua a mais de duas horas do Porto, quando hoje é possível percorrer aquela distância em 1 hora e 46 minutos. Segundo o PÚBLICO apurou, a Régua poderia ficar apenas a uma hora e meia do Porto se a CP utilizasse locomotivas mais potentes na Linha do Douro.
O novo horário prevê também que alguns comboios desta linha terminem a sua marcha em Caíde de Rei (concelho de Lousada), devendo os passageiros fazer transbordo para os suburbanos. Tratando-se de unidades de negócios diferentes, esta é uma forma da empresa reforçar o seu tráfego da CP-Porto à custa da CP-Regional.
Do Marco de Canaveses para a Invicta, a lógica é a mesma - a CP-Regional assegura o transporte dos passageiros até Caíde e a CP-Porto leva-os até Campanhã. A razão deste transbordo não é comercial, mas sim técnica, pois é em Caíde de Rei que termina a linha electrificada. A Refer chegou a ter previsto no seu plano de investimentos para 2005 a continuação da modernização da Linha do Douro até ao Marco, mas a mudança de governo fez congelar o projecto.

Transbordos também na Linha do Minho
A CP vai também cortar ao meio a Linha do Minho, fazendo uma ruptura de carga em Nine. Cerca de 20 comboios diários de e para Viana do Castelo e Valença terão origem e destino naquela estação e não em Campanhã, quebrando-se uma prática com mais de cem anos em que os comboios para o Minho eram directos.
A ligação a Vigo mantém-se, mas a CP deu uma ajuda para a sua extinção a curto prazo depois de o não ter conseguido fazer em Junho passado devido aos protestos dos autarcas da região e da Junta da Galiza. Agora, em vez de duas circulações diárias em cada sentido, passa a haver apenas uma e o comboio passou a ser um simples Inter-regional, que multiplica o número de paragens. Resultado: entre Porto e Valença, em vez das duas horas actuais, passa a demorar entre duas horas e meia e duas horas e 48 minutos.
Na zona suburbana da Invicta haverá, contudo, uma melhoria qualitativa e quantitativa nas ligações entre Aveiro/Ovar e o Porto.
A Região Norte fica agora mais perto do Algarve com dois comboios pendulares directos em cada sentido entre Campanhã e Faro, que farão o percurso em 2 horas e 55 minutos. E Lisboa fica agora dez minutos mais próxima, pois entre o Douro e o Tejo a viagem no Alfa Pendular demorará duas horas e 49 minutos, em vez das três horas actuais.
O PÚBLICO tentou saber junto da CP as razões das alterações dos horários nas Linhas do Minho e do Douro, mas a empresa disse apenas que está a analisar a nova oferta.