Janela Indiscreta

L.B. Jeffries é um fotógrafo reconhecido, mas num acidente de trabalho partiu uma perna e agora está imobilizado. A sua única distracção resume-se a espreitar, pela janela, a vida dos vizinhos. Mas eis que a suspeita de um assassínio no prédio em frente dá início a uma investigação empolgante, onde se questiona o voyeurismo - de Jeffries, do espectador e dopróprio Hitchcock

Por Sara Gomes

Se espreitar a vida e a intimidade dos outros é algo frequente nos filmes de Alfred Hitchcock, não é menos verdade que o cineasta o faz questionando sempre as intenções e as consequências dessa prática. Até que ponto, afinal, o voyeurismo pode ser um acto inocente, eventualmente solidário, ou um exercício egocêntrico, sem respeito pelo outro? Em Janela Indiscreta/Rear Window (1954), o mestre do suspense põe o dedo na ferida. Hitchcock filma a vida que existe "do outro lado do pátio", a partir da janela - e também do olhar - do fotógrafo L.B. Jeffries (James Stewart), imobilizado no seu apartamento, com uma perna engessada, por causa de um acidente de trabalho."O que se vê na parede do pátio é uma quantidade de pequenas histórias, é o espelho de um pequeno mundo", disse o realizador para justificar o interesse de Janela Indiscreta, nomeado para o Óscar de melhor realizador, argumento, fotografia e som.
Estamos, portanto, no complexo universo de Hitchcock, que o PÚBLICO agora revisita com a edição de uma colecção de livros inéditos, acompanhados pelo DVD do filme em questão. Esta semana abre-se então a "janela" que esconde os segredos de um dos filmes preferidos do cineasta, atraído pela ideia do espectador ter o mesmo ângulo de visão do protagonista e, como este, poder adivinhar a ocorrência de um crime.
Explica-se no livro que um dos objectivos de Hitchcock em Janela Indiscreta era fazer uma "rodagem subjectiva", situando o público no "espírito da personagem". O escritor e biógrafo do cineasta, Bruno Villien, vai mais longe e afirma: "O voyeurismo do público faz eco ao do criador. É, em princípio, o cineasta que espia as suas criações, faz com que estas sofram, filma-as para deleite dos espectadores."
Inicialmente, Hitchcock tinha a intenção de filmar edifícios reais, mas a má iluminação dos exteriores obrigou-o a rodar o filme num plateau, que incluía os 30 apartamentos que L.B. Jeffries avista da sua janela. Este foi um dos maiores cenários construídos pela Paramount até então e, como realça o realizador francês François Truffaut, serviu para Hitchcock filmar "uma visão desencantada da conciliação entre os sexos". Enquanto o casal Jeffries e Lisa (interpretada pela actriz fetiche de Hitchcock, a bela Grace Kelly) se debate com diferenças sociais e de carácter, do outro lado do pátio o desentendimento entre um vendedor de amostras e a sua mulher acamada pode ser o motivo para um assassínio...
Janela Indiscreta baseou-se no conto policial It Had to be Murder, do americano Cornell Woolrich. Adaptada para cinema pelo argumentista John Michael Hayes, a história original tinha apenas 40 páginas. Hitchcock resume-a assim: "(...) o assassino, ao sentir-se descoberto, queria matar o herói desde o outro lado do pátio com um revólver. Mas o herói conseguia erguer com o braço um busto de Beethoven, colocando-o de perfil na janela. Era Beethoven quem recebia finalmente o tiro."
Embora diferente, o final de Janela Indiscreta é igualmente surpreendente. Além do mais, como afirma Truffaut, o que torna este filme especial "não são os horrores que James Stewart avista da sua janela, mas o espectáculo das fraquezas humanas".