Casal britânico sobrevive seis horas rodeado de tubarões na Austrália

Durante mais de seis
horas cuidaram um
do outro e mantiveram
a esperança de que alguém os socorresse

Louise Woodger e Gordon Pratley não vão esquecer tão cedo o passeio na Grande Barreira de Coral de sábado passado. Inseridos num grupo de mergulho, afastaram-se do barco em que seguiam, devido às fortes correntes que se faziam sentir. Resultado: ficaram seis horas à deriva na Grande Barreira de Coral, no Nordeste australiano, com a noite a cair e rodeados por tubarões.Para Pratley, o mais importante foi manter a calma: "Tentávamos apenas cuidar um do outro. Tínhamos esperança de que alguém aparecesse. Primeiro, pensamos que tudo vai correr bem, mas depois fica cada vez mais tarde e não queremos mesmo saber o que pode acontecer, tentamos apenas ficar calmos. Pensámos sempre que iríamos ser resgatados", explicou segunda-feira quando falava aos media australianos.
Citado pela Associated Press, Greg Doyle, um polícia de Townsville, explicou que "o casal mencionou que houve uma altura em que um tubarão mostrou algum interesse neles mas, felizmente, nadou para longe sem voltar a aparecer".
Segundo o capitão do barco, o casal foi dado como desaparecido depois de uma contagem rotineira para saber se todos os tripulantes estariam a bordo. Verificando que Woodger e Pratley não estavam, o capitão lançou um alerta e começaram as buscas marítimas e aéreas.
O comandante da guarda costeira, Richard Bolton, afirmou a uma rádio australiana que o casal estava a mergulhar e que veio à superfície ao fim de três quartos de hora. Nessa altura, Gordon e Louise aperceberam-se de que se tinham afastado do seu barco. Colocaram então os coletes de emergência para ficarem a flutuar.
No momento do resgate, o casal estava exausto e sofria de uma ligeira hipotermia. Encontrava-se a dez quilómetros do local onde o barco entrou no recife, isto é, a 90 quilómetros de Townsville, no estado de Queensland.
Jon Colless, capitão da guarda costeira, assegurou que a zona onde o casal desapareceu se situa entre dois recifes e a maré alta "causou uma corrente muito maior do que se pensara". Colless disse ainda que os britânicos tiveram "muita sorte graças à chamada rápida, ao facto de ser ainda ser bastante cedo e o capitão do barco de megulho ter acertado rapidamente com o local".
Não foi a primeira vez que mergulhadores ficaram para trás. Em 1998, dois turistas americanos, Tom e Eileen Lonergan, desapareceram e ainda hoje não se sabe se se afogaram ou se foram comidos por tubarões. Acidentalmente, o barco de mergulho onde seguiam deixou-os na Grande Barreira de Coral. Devido ao desaparecimento dos Lonergan, foram impostas medidas de segurança muito rígidas às empresas de mergulho australianas.
Na conferência de imprensa, Gordon Pratley conseguiu brincar com a situação ao dizer para a sua noiva: "Só me disseste que os tubarões nos rodeavam quando estavámos a ser resgatados."