Inaugurado em Estremoz centro Ciência Viva vocacionado para as geociências

Foto
Mariano Gago defendeu que estes espaços fazem parte da oferta de turismo cultural de Portugal Luís Forra/Lusa

Na cerimónia de inauguração do 11º centro Ciência Viva do país, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, defendeu que estes espaços fazem parte da oferta de turismo cultural de Portugal.

Servem para mostrar "o nosso nível educativo, cultural, científico e organizativo", disse o governante, acrescentando que a rede destes centros é "um capital essencial para o desenvolvimento cientifico e cultural e para muitas acções de promoção da educação e de formação profissional".

Mariano Gago lembrou que há dez anos Portugal não tinha quase nenhuma oferta de moderna museologia científica.

A criação deste centro começou há quase uma década e obrigou à recuperação do edifício do século XVI onde está instalado, o antigo Convento das Maltezas, onde funciona também o pólo de Estremoz da Universidade de Évora.

O Centro Ciência Viva de Estremoz, subordinado ao tema "Terra - um planeta dinâmico", é constituído por dois pisos e cerca de 70 módulos científicos, dos quais 40 interactivos e 30 expositivos, que permitem ao visitante compreender a relação entre os processos geológicos activos no nosso planeta.

Assistir a uma erupção num vulcão de quatro metros de altura, conduzir uma bicicleta solar e apreciar um Tyrannosaurus rex, que é a única réplica de um esqueleto de um dinossauro de grandes dimensões que existe em Portugal, são alguns dos atractivos do espaço museológico interactivo.

"Este é considerado o único museu interactivo totalmente ligado à geologia na Península Ibérica, instalado numa zona onde o mármore tem muita importância, que inclui peças com milhares de milhões de anos", disse Rui Dias, professor da Universidade de Évora e coordenador da equipa que preparou este centro Ciência Viva.

A exposição temporária "Evolução: resposta a um planeta em mudança", um espaço de acesso à Internet e uma loja, completam a oferta deste espaço de divulgação científica.

O Centro Ciência Viva de Estremoz resulta de uma iniciativa conjunta da Ciência Viva, da Universidade de Évora e da Câmara Municipal de Estremoz, com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Sugerir correcção
Comentar