Uma viagem à América dos gangsters

Al Capone e os seus homens são os rivais de Tintim nesta história. Em mais uma luta entre o bem e o mal, o repórter belga opõe estratégias surpreendentes aos obscuros esquemas dos bandidos

Ana Filipa Gaspar

A fama de Tintim rapidamente atravessou o oceano Atlântico e chegou ao continente americano. Nesta aventura, o jovem repórter e o seu companheiro canino partem para o Novo Mundo com o objectivo de conhecer a Chicago da década de 30, cidade com três milhões de habitantes situada à beira do lago Michigan. Em plena época da proibição, Tintim quer assistir ao vivo à guerra dos gangs... mas esta ideia não agrada aos gangsters, que, de imediato, se preparam para a sua chegada.Quando Hergé decidiu criar Tintim na América, teve uma ideia que acabaria por se tornar frequente nas suas bandas desenhadas: introduzir uma personagem da vida real na história. O escolhido foi Al Capone, o único vilão real das aventuras de Tintim, que aparece com o seu próprio nome e é retratado com a sua famosa cicatriz. Na época, o célebre gangster norte-americano era já um mito e era quase impensável que não participasse nesta história sobre a América dos anos 30. Para os negócios obscuros de Scarface, um herói como Tintim seria um "um adversário terrível" e, por isso, Al Capone torna-se o vilão ideal para mais um combate entre o bem e o mal.
N