Bailado

Coreógrafo Fernando Lima homeageado pelo seu contributo para a dança

Sexta-feira assinala-se o Dia Mundial da Dança
Foto
Sexta-feira assinala-se o Dia Mundial da Dança DR

Com quase 78 anos de idade, o coreógrafo, bailarino e professor Fernando Lima, o primeiro a lançar e dirigir uma companhia independente em Portugal, vai ser homenageado pela CeDeCe - Companhia de Dança Contemporânea em Oeiras, Óbidos e Alcobaça.

A companhia dirigida por Maria Graça Bessa vai homenagear Fernando Lima, a professora Margarida de Abreu, pioneira do ensino da dança em Portugal, e o artista plástico - já falecido - Abílio Mattos e Silva, entre amanhã e sábado em Oeiras, Alcobaça e Óbidos, no evento "Memórias da Dança I" que pretende assinalar também o Dia Mundial da Dança, que se comemora na sexta-feira.

Fernando Lima conquistou um lugar na dança em Portugal. Deixou para trás um curso de engenharia na Faculdade de Ciências de Lisboa (que frequentou durante três anos) para se dedicar à dança. Nascido em Lisboa a 14 de Maio de 1928, Fausto Fernando Batista Lima despertou tarde para a dança mas dedicou-lhe mais de 50 anos da sua vida.

Em entrevista à Lusa, o coreógrafo, bailarino e professor Fernando Lima contou que se iniciou na dança por brincadeira nos salões de baile da Ericeira e mais tarde (1947) no estúdio da professora Margarida de Abreu. "Quando comecei, a dança era para mim uma brincadeira, uma maneira de passar o tempo pois eu estava mais direccionado para fazer uma carreira universitária e ser engenheiro", explicou.

Como tinha uma formação muscular bastante desenvolvida devido aos muitos anos de prática na patinagem artística, Fernando Lima adaptou-se rapidamente ao ballet.

Foi com a professora e pioneira do ensino da dança em Portugal que o bailarino Fernando Lima se estreou nos palcos do Teatro Nacional de São Carlos com a peça "Quadros de uma Exposição".

No final dos anos 40 já dançava papéis de destaque em obras da sua mestra como "Nova Chopiniana" e "Pássaro de Fogo" e mais tarde seguiu com a mulher para Paris onde fez o primeiro dos vários estágios de Verão que realizou na capital francesa como bolseiro do Instituto da Alta Cultura.

De regresso a Portugal, Fernando Lima tornou-se então o primeiro bailarino português a dançar papéis do reportório clássico tradicional dentro de um contexto profissionalizante.

"Dançar em Portugal era muito difícil, existia muito preconceito em relação aos bailarinos homens", contou o coreógrafo. Em 1956 Fernando Lima funda o Ballet-Concerto, a primeira companhia independente em Portugal.

"Eu era maluco, foi um acto heróico e hoje não sei como conseguimos sobreviver", referiu Fernando Lima acrescentando que "a companhia subsistia com um apoio de cerca de 30 contos do Instituto da Alta Cultura e das receitas dos espectáculos".

"Quando fundei a companhia eu já era aquele, o tal, o esquisito, tinha alguma projecção em Portugal e o meu trabalho era apreciado", referiu.

Com o Ballet-Concerto criou coreografias como "Prelúdio à Sesta de um Fauno", "Piquenique", "Delphiada" e "Galaaz" mas, apesar do sucesso obtido com os espectáculos a companhia acabou, para só voltar a renascer em 1958, com o nome de Ballets de Lisboa, o primeiro agrupamento a ser subsidiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e que se estreou no Teatro Monumental com orquestra dirigida pelo maestro Silva Pereira.

No entanto, mais uma vez os problemas financeiros surgiram obrigando o coreógrafo a criar em 1959 os Bailados Portugueses de Fernando Lima, um pequeno grupo virado para a vertente folclórica e com o qual apresentou espectáculos no Casino do Estoril e na Europa.

Já na década de 70 Fernando Lima continuou a coreografar companhias como a Companhia Nacional de Bailado, para programas de televisão e a ensinar dança clássica no Centro Cultural de Benfica, onde ainda hoje dá aulas aos jovens.

"Dou aulas de dança todos os dias para me manter em forma e para ensinar o que aprendi ao longo de anos", referiu.

Admirador dos trabalhos de Olga Roriz e da coreógrafa alemã Pina Baush, Fernando Lima referiu que acompanha o que se faz actualmente em Portugal assistindo a espectáculos de dança clássica e contemporânea.

Questionado sobre qual o seu trabalho preferido, Fernando Lima elege "Prelúdio à Sesta de um Fauno", de Claude Debussy, peça que dançou sozinho e que foi um êxito.

Fernando Lima recorda ainda com carinho a coreografia "Jogos Sinfónicos" que será apresentada pela CeDeCe entre amanhã e sábado 40 anos após a estreia.