Cérebro de Einstein apanhado numa estranha odisseia

Foto
Einstein morreu aos 76 anos vítima de um aneurisma Reuters

Na última década de vida, Einstein não estava bem de saúde. Sentia dores muito fortes no abdómen. “Estas crises duravam geralmente dois dias, acompanhadas de vómitos e reapareciam decorridos poucos meses”, relata o físico Abraham Pais, no livro Subtil é Senhor — Vida e Pensamento de Albert Einstein (Gradiva).

Após dores graves, em 1948, foi internado no Hospital Judaico de Brooklyn, em Nova Iorque, e foi-lhe diagnosticado um aneurisma na aorta abdominal (uma espécie de saco na parede externa da artéria que podia ser fatal se rebentasse). Einstein não ligou muito. “Que rebente”, disse, segundo relata o livro Possessing Genius: The Bizzarre Odyssey of Einstein’s Brain, da jornalista canadiana Carolyn Abraham.

Por volta de 1951, o aneurisma estava a crescer. “Todos os que o rodeávamos sabíamos que a espada de Dâmocles pendia sobre nós. Ele também o sabia, e esperava-a, calmo e sorridente”, disse Helen Dukas, secretária de Einstein desde 1928, numa carta a Abraham Pais. A 13 de Abril de 1955, sofreu um colapso. Ainda recuperou um pouco, mas no dia 16 o seu estado agravou-se e foi internado. Resistiu a fazer uma operação: “Quero partir quando quiser. É de mau gosto prolongar a vida artificialmente; já dei o meu

contributo, é tempo de partir. Fá-lo-ei elegantemente.” A última pessoa a vê-lo vivo foi uma enfermeira. Como estava a respirar de maneira diferente, levantou-lhe a cabeceira da cama. Ouviu-o dizer qualquer coisa. Era em alemão, não percebeu. Einstein tinha 76 anos. Morreu de um problema que podia ter evitado. Gostava de comidas gordas, culpadas pela acumulação de colesterol, que por sua vez contribui para a formação de aneurismas.

O seu filho Hans Albert só autorizou a autópsia, por isso quando leu nos jornais o que tinha sucedido com o cérebro ficou aborrecido e telefonou a Thomas Harvey, o patologista que autopsiou Einstein.Este sublinhou a importância de estudar o cérebro à procura de sinais anatómicos de inteligência. “Era o cérebro de um génio. Teria sentido vergonha se o tivesse deixado.” Para Harvey, uma autópsia pode incluir remover e, em alguns casos, guardar o cérebro. Pelo menos foi o que justificou a Carolyn Abraham.

Tal como no caso do cérebro, também se levantam dúvidas éticas sobre a remoção dos olhos de Einstein pelo seu oftalmologista, Henry Abrams. A justificação para os tirar dada por Abrams a Paterniti foi esta: “Faziam parte do cérebro e eu queria uma recordação.” Estarão guardados no cofre de um banco e, tal como no caso do cérebro, correu o rumor de que Michael Jackson esteve interessado em comprá-los.

Quando Harvey foi despedido, acusado de roubar o cérebro e de se ter recusado a entregá-lo ao director do hospital, inicia-se a odisseia de um cérebro que anda de cidade em cidade, sempre que Harvey muda de vida. De Princeton para o Missouri, onde se tornou médico de família; daqui para Lawrence, no Kansas, onde trabalhou numa fábrica de plásticos; e de novo para perto de Princeton, no fim dos anos 90.

Na altura da viagem no "tupperware", já esta história rocambolesca era conhecida de muitos. Mas nem sempre foi assim: como o patologista decidiu levá-lo, durante muito tempo desconheceu-se o paradeiro do cérebro, até que em 1978 o jornalista Steven Levy, do New Jersey Monthy, de Princeton, localizou Harvey e o cérebro, em Wichita, no Kansas. Depois, foi notícia em todo o lado.

Para Carlos Fiolhais, tratou-se de um roubo e o cérebro não passou de um troféu de caça. Essa é aliás a ideia difundida, como atesta a canção de uma banda de heavy-metal, Attic of Love: Stealing Einstein’s Brain, de 1997, diz que um médico resolveu um dia roubar o cérebro, que depois adornava uma estante de troféus. "É a dignidade humana que está em causa, não é a ciência. Não vale tudo”, frisa Fiolhais. “A vontade do defunto era que o seu corpo fosse cremado e ele não isentou partes".