UEFA classifica Euro 2004 como o melhor de sempre

Quatro dias antes do fim do torneio, a UEFA classificou ontem o Euro 2004 como o melhor de sempre, não poupando elogios à organização portuguesa. O sucesso verifica-se igualmente ao nível das audiências televisivas, que registaram um recorde de 845 milhões de telespectadores só nos 24 jogos da fase de grupos. No total verificou-se um aumento, na fase preliminar, de 26 por cento, em comparação com o último campeonato europeu de 2000, que decorreu na Holanda e na Bélgica. "Difícil é encontrar pontos em que a organização não tenha estado muito bem", declarou o sueco Lars-Christer Olsson, director-executivo da UEFA e ex-administrador da Sociedade Euro 2004, no final da reunião do comité executivo do organismo que rege o futebol europeu, que se realizou nos últimos dois dias em Lisboa. "Nunca estivemos tão bem preparados e nunca organizámos um torneio tão bem", reforçou, destacando três pontos fundamentais que contribuíram para o êxito: transportes, tratamento dos profissionais de comunicação social e dos VIPs. O sueco considerou igualmente positivas "a qualidade dos jogos e das arbitragens."Olsson destacou, por outro lado, a "colaboração entre a UEFA, a organização e os responsáveis pelos estádios", a cobertura televisiva do evento e o tratamento do público, dando mesmo como exemplo a forma como funcionou o "Fan Park", no Parque das Nações, em Lisboa. Este responsável congratulou-se também por o torneio não ter registado casos de "doping", excepção feita ao controle positivo do croata Ivica Olic - que acusou a presença de um corticosteróide contra a dor -, após a partida contra a França, mas que acabou por não ser sancionado uma vez que a falha foi imputada aos médicos da selecção.Ainda a propósito do "doping", o director executivo da UEFA mostrou-se satisfeito com o novo sistema seguido em Portugal, com pelo menos dois testes por equipa em cada jogo, mas considerou que o mesmo será "impossível" de transpor para as competições de clubes, onde em média se realizam 1500 jogos por temporada.A propósito das más prestações de algumas das maiores potências do futebol europeu, Lars-Christer Olsson admitiu que tal se poderá ter ficado a dever a algum cansaço de muitos dos jogadores dessas selecções, que poderão estar "a fazer jogos a mais". Ainda a este respeito e procurando minimizar esta situação no futuro, o dirigente adiantou que a UEFA poderá apresentar em breve propostas para uma limitação do número de jogos por jogador, que não passem por um encurtamento das ligas nacionais de clubes. Olsson sublinhou, no entanto, que "não existe um modelo único" aplicável a todos os países, e que a responsabilidade última pelos calendários pertencerá sempre às ligas. Uma nova reunião para discutir esta matéria está, entretanto, agendada, para o próximo fim-de-semana em Lisboa.Recordes na tv pulverizadosAo nível das audiências televisivas, os recordes têm sido totalmente pulverizados. A audiência média em jogos da selecção anfitriã - no caso Portugal - subiu 38 por cento, enquanto nos chamados jogos "neutrais", o aumento cifra-se em 12,5 por cento. Dados que permitiram ao director-executivo da UEFA perspectivar que, a dois encontros do final da competição, o Euro 2004 deverá bater todos os recordes da história da competição.A reunião do executivo da UEFA aproveitou ainda para aprovar e formalizar os comités e painéis da UEFA para 2004-2006, como tinham sido propostos, para além da agenda da XXI Conferência de Presidentes e Secretários-Gerais, a realizar no próximo dia 3 de Julho, em Lisboa. Apreciado foi igualmente um relatório positivo sobre a aplicação do Sistema de Licenciamento de Clubes, que se torna efectivo já em 2004-2005.Com Lusa e Reuters