Centro Comercial "Fórum Vizela" é inaugurado hoje

A secretária de Estado da Indústria, Comércio e Serviços, Maria do Rosário Ventura, vai presidir hoje à inauguração do centro comercial Fórum Vizela, a primeira parte do empreendimento comercial e habitacional que irá constituir o futuro centro cívico do concelho. Ao todo, a Imobilasa, a empresa promotora, investiu cerca de 37,5 milhões de euros num espaço que acolherá 67 estabelecimentos comerciais e 300 apartamentos, e ao qual se juntarão o edifício-sede da autarquia, que só deverá estar concluído em 2006, e a Praça do Município, que se encontra em fase de acabamentos.Segundo as contas dos promotores do projecto, o centro comercial irá servir uma população de cerca de 60 mil habitantes de Vizela e concelhos limítrofes - "que até agora tinham que se deslocar ao Porto ou a Braga para terem uma oferta comercial de qualidade" - e criar cerca de 200 novos postos de trabalho directos. O empreendimento apresenta a forma de um "U", com o edifício-sede do município ao meio e os espaços comerciais e habitacionais de ambos os lados. As lojas ocupam o rés-do-chão do imóvel e dois pisos subterrâneos, sendo os restantes cinco pisos à superfície (seis em cada um dos vértices do "U", para compensar o declive do terreno) ocupados pelos fogos habitacionais, mais de metade dos quais está ainda por concluir.A ideia de incluir a futuro edifício da câmara no empreendimento partiu do empresário vizelense Armando Antunes, responsável da Imobilasa, que cedeu à autarquia um terreno de cerca de 3000 metros quadrados para a sede, que representam uma perda de facturação estimada em 6 milhões de euros, uma vez que aí poderiam ser construídos mais 60 apartamentos e 20 lojas. Em contrapartida, a edilidade assumiu os custos de construção da ampla praça central, com as suas áreas ajardinadas e espelhos de água, que representa um investimento de cerca de um milhão de euros.O empreendimento surge, contudo, com mais de um ano de atraso em relação ao previsto aquando do lançamento do projecto. Segundo a empresa, a demora está relacionada com a necessidade de levar a cabo alguns trabalhos de pesquisa dos solos e avançar com cuidado nas obras devido à presumível presença de vestígios romanos na zona onde o Fórum Vizela está implantado, o que não se veio a confirmar. A suspeita era alimentada pela descoberta na Praça da República, localizada perto daquele local, de balneários da civilização romana.A imobiliária defende-se ainda com os constrangimentos criados pela conjuntura económica e as dificuldades em angariar investidores para os espaços comerciais. "Para algumas pessoas, Vizela não está no mapa. Havia quem associasse Vizela ao concelho de Bragança. É um episódio anedótico, mas que é exemplificativo de um país que é ainda assimétrico em muitas coisas", explicou ao PÚBLICO fonte da empresa.O principal pólo de atractividade do "Fórum Vizela", o novo edifício que irá albergar a autarquia local, só deverá estar concluído em 2006. Segundo o vereador das Obras Públicas da edilidade vizelense, Dinis Costa, a estrutura principal do imóvel já está quase concluída, mas falta ainda lançar o concurso público para as especialidades. Para o autarca, as dificuldades financeiras do município não permitem andar mais depressa com uma obra cujo custo ronda os cinco milhões de euros, e que poderia ser acabada mais cedo caso fosse aberto o endividamento às autarquias. Já a Praça do Município, que representa um investimento de cerca de um milhão de euros e irá também ser inaugurada amanhã, está já nos "retoques finais", devendo estar totalmente finalizada dentro de um mês. N.M.Início da Construção: Agosto/2000Investimento: 37,5 milhões de eurosÁrea total: 50.000 m2Área comercial: 11.000 m2Zona Comercial: 66 lojas e um supermercado de média dimensão distribuídos por três pisosZona Residencial: 118 apartamentos (T1 a T5) já concluídos e 182 a concluirCinemas: 3 salasEstacionamento: 200 lugares subterrâneos e 300 no exterior