Equipa de investigadores britânicos concluiu recentemente

O Natal nasceu 300 anos antes de Cristo

O movimento vivido nos primeiros séculos do cristianismo pretendeu baptizar todos os acontecimentos mais importantes
Foto
O movimento vivido nos primeiros séculos do cristianismo pretendeu baptizar todos os acontecimentos mais importantes Harish Taygi/EPA

O Natal tem as suas origens 300 anos antes do nascimento de Cristo, segundo uma equipa de investigadores britânicos concluiu recentemente.

Apesar de há muito tempo se saber que a decisão de declarar 25 de Dezembro como o dia do nascimento de Jesus foi tomada no século IV pela Igreja, sob influência do imperador romano Constantino, houve sempre dúvida sobre as razões exactas da escolha.

A data terá sido escolhida, descobriram agora os investigadores, porque Constantino acreditava que o deus romano do Sol, Hélios, e Cristo eram virtualmente a mesma coisa, e 25 de Dezembro tinha sido decretado com o dia do nascimento do Sol 50 anos antes por um dos seus antecessores - o imperador Aurélio.

Aurélio, por sua vez, parece ter escolhido 25 de Dezembro porque desde a reforma do calendário romano, feita pelo imperador Júlio César em 46 a. C., esse dia foi fixado oficialmente como a data do solstício de Inverno. O mistério está exactamente na razão da escolha, uma vez que a data real para o solstício no tempo de Júlio César era 23 de Dezembro (este ano, à latitude de Lisboa, foi às 7h03 de 22 de Dezembro). Os académicos sempre se interrogaram sobre o porquê da escolha do dia 25.

Esta investigação histórica traz uma nova luz sobre as origens remotas pré-cristãs do Dia de Natal, afirmando que o nascimento do Sol foi quase de certeza fixado no equivalente antigo do 25 de Dezembro, quando este dia era de facto o solstício de Inverno e marcava realmente o renascimento anual do sol - o dia em que o sol começa de novo a ficar mais alto no céu e os dias a tornarem-se mais compridos. Para conseguir fazer essa equivalência, os investigadores recorreram aos potentes computadores do Nautical Almanac Office, descobrindo que era necessário recuar à primeira metade do século III a. C.

O Colosso de Rodes

A nova investigação sugere que um acontecimento-chave pode ter provocado toda a tradição do 25 de Dezembro. Esse evento foi a consagração da maior estátua ao Deus do Sol Hélios da Antiguidade Clássica - o Colosso de Rodes -, com 34 metros de altura e 200 toneladas. Considerada uma das sete maravilhas do mundo, foi destruída por um terramoto e não chegou até nós nenhuma representação da estátua.

A provável data da consagração foi 283 a. C.. E nesse ano o solstício ocorreu em Rodes por volta do nascer do Sol do dia 25 de Dezembro. A data da construção do Colosso - ou outro acontecimento na primeira metade do terceiro século a. C. - foi sem dúvida preservada pelos académicos em Rodes ou Alexandria e parece ter passado para César através dos cientistas do Egipto, no período helenístico, que aconselharam o imperador com as suas reformas do calendário.

Depois de César, a dimensão do Império Romano aconselhava a nunca tomar a sua unidade como certa. Por isso, durante e depois do século III a. C., os imperadores foram usando cada vez mais o culto do Sol como força para unificar o império.

No final do século III, o Sol - agora chamado Sol Invictus (o Sol Invencível) - começou a ser visto quase em termos monoteístas, sendo os outros deuses olhados como subservientes da divindade solar ou como diferentes facetas dele. O salto seguinte em direcção ao proto-Natal chegou em 274 d. C., quando o imperador Aurélio declarou que o Sol Invictus era "Senhor do Império Romano".

A promoção do Deus do Sol a esta posição suprema deu-se porque Aurélio acreditava que o Sol Invictus o tinha ajudado a derrotar os rebeldes do Médio Oriente que ameaçavam a unidade do império. Em honra da vitória, o imperador construiu um enorme templo ao Sol. Foi aí que Aurélio instalou duas enormes estátuas saqueadas da cidade revoltosa, Palmira, actualmente uma ruína no deserto da Síria. Uma representava o deus do Sol oriental, Shamash-Hélios. A outro o deus chefe dos rebeldes, Bel, ou mais provavelmente o seu associado, a divindade Yarhibol, em parte solar e completada com os raios solares que emanam da sua cabeça. O novo templo foi consagrado a 25 de Dezembro - o dia que o imperador Aurélio pensava ser o do nascimento do Deus do Sol.

Cerca de meio século depois da consagração do templo, o primeiro imperador romano cristão, Constantino, fundiu o culto do Sol com a cristandade, dando a entender que Cristo era, de facto, a manifestação terrena do Sol Invictus. O dia 25 de Dezembro tornou-se o Natal. O homem-deus cristão era também referido como o Sol da Justiça e num mosaico na cripta da Catedral de S. Pedro, no Vaticano, Jesus era - e ainda é - adornado com raios solares e guiava um carro, tal como o Sol Invictus.

"A escolha de Constantino de 25 de Dezembro como o dia para celebrar o nascimento do seu patrão divino, Cristo, tem que ser vista no contexto da tradição em que Aurélio se baseou e pode perfeitamente ter tido origem nas celebrações do solstício de Inverno em Rodes cerca de seis séculos antes", disse um dos cientistas britânicos envolvidos na investigação, Alaric Watson, autor de uma importante obra sobre o período, "Aurélio e o Terceiro Século".

"Constantino viu claramente o seu patrão divino - inicialmente Sol Invictus, mas depois Cristo - da mesma forma que Aurélio o tinha visto. A imagética de Cristo, como a dos cultos dos soberanos dos mundos romano e helenístico, deve muito à teologia solar", disse.

A verdadeira data do nascimento de Cristo não é conhecida, apesar de várias tradições anteriores ao século IV e cálculos por computador a colocarem no período de Janeiro a Março ou em Novembro, provavelmente no ano 4 a. C.

Carlos Azevedo, padre, vice-reitor da Universidade Católica de Lisboa e professor de arte cristã, reconhece que não se sabe quando foi o nascimento de Cristo e brinca: "Não há um Bilhete de Identidade." Esta nova investigação é mais um pormenor para a explicação da substituição dos cultos, "porque a festa do Natal é criada no início do século IV pela Igreja para substituir a festa do solstício de Inverno, uma festa ao Sol quando os dias começavam a crescer." E acrescenta: "Foi o maior sucesso de inculturação do cristianismo."

A primeira representação do Natal, termina o padre, aparece em Roma logo no século IV, num sarcófago hoje guardado nos Museus do Vaticano. "Cerca de 320 d. C., estão lá o menino, a manjedoura, o jumento, o boi e o alpendre. A Nossa Senhora e o S. José só aparecem depois. O jumento e o boi estão sempre porque representam a humanidade."