Boa onda em música para as multidões

KRONOS QUARTET + KAD ACHOURI + THE SKATALITES (festival Músicas do Mundo)SINES CasteloSábado, às 21h30. Lotação esgotadaTerminou no sábado a 5ª edição do festival Músicas do Mundo de Sines. Com a festa do costume, a cargo dos The Skatalites, engalanados com o fogo de artifício da praxe, mas a actuação entusiasta (para muitos entusiasmante), desta instituição do "ska" não chegou para tirar o Músicas do Mundo de uma certa ideia de massificação e de ter sido, em termos de música ouvida, um dos piores da sua história.Compreende-se a opção da organização - impecável, nos aspectos logísticos - em ter como principal preocupação para este ano, levar ao castelo o maior número possível de pessoas. Em época generalizada de crise e de falta de apoios camarários, era preciso mostrar serviço. Objectivo cumprido a 100 por cento. Nunca como neste ano o público comparecera de forma tão maciça, lotando por completo o interior do castelo. 5000 entradas vendida por noite, na sexta-feira e no sábado, não impediram que outras tantas centenas ficassem de fora e tivessem que se contentar em assistir ao festival através do ecrã gigante afixado num dos muros do castelo.Mas se a aposta público foi ganha o mesmo não se pode dizer da qualidade musical. À excepção dos Danças Ocultas e do grupo afegão Ensemble Kaboul, aos quais se juntaram, no último dia, os Kronos Quartet, tudo o resto esteve abaixo do que seria lícito esperar, nalguns casos pautando-se pelo pior que a "world music" tem para oferecer: sopas incaracterísticas que de étnico já pouco ou nada têm, embaladas em papel de fusão e batidas preguiçosas que lá vão chegando para pôr as pessoas - mais preocupadas em curtir a todo o custo do que em ouvir música pela música - a dançar. Foi pena que os Kronos Quartet mal se pudessem ouvir. Com um volume de som baixíssimo, a música chegava como um sussurro à zona mais recuada do castelo, soando como acompanhamento de luxo de um estado de espírito geral que não estava para aí virado. A dado momento pararam mesmo de tocar, perdendo-se largos minutos na resolução de um qualquer problema técnico. Por fim lá reentraram no seu mundo privado, em Sines preenchido por composições do álbum "Nuevo", mas também por uma curiosa versão de um tema dos Sigur Rós.Kad Achouri, que actuou a seguir, foi confrangedor. Chamar "world" à sua mistela pimba de sons afro-latinos sobre ritmos tcham-tcham-tcham é ofensivo para as tradições do planeta. O que este francês de origem argelina fez em Sines, em nome de uma modernidade que ele se encarrega de trair, caberia perfeitamente numa daquelas emissões da nossa televisão que animam as tardes de praia, entre um passatempo e uma Cola, de tal forma o popular desceu à cave do popularucho. As liberdades permitidas pelo seu álbum "Liberté" estatelaram-se na permissividade. Imaginem um Manu Chao de refugo. Kad Achouri nem sequer foi pândego.No fecho do festival, os The Skatalites vieram da Jamaica e não interromperam por um só minuto a sua descarga de "Ska" meclada de rhythm 'n' blues. Verdade seja dita que o ritmo se manteve inalterável do princípio ao fim o que, se serviu às mil maravilhas a sua finalidade dançante, matou, por outro lado, qualquer veleidade em fazer algo mais subtil. O fogo de artifício - este ano também em regime económico e menos espectacular do que tem sido hábito - interrompeu a música um pouco a despropósito mas nada pareceu perturbar a boa onda que caracteriza o Músicas do Mundo.Bom seria que para o ano se repensasse o rumo que este festival tenciona tomar. É que música de qualidade e com menos concessões não é incompatível com a adesão das massas, como de resto as anteriores edições já fizeram questão de demonstrar.Em resumo: Os Kronos Quartet, apesar do baixo volume de som, salvaram o terceiro e último dia do Músicas do Mundo mas a festa veio com os The Skatalites. Kad Achouri foi para esquecer.