EUA, Reino Unido, Espanha e Portugal esperam que ONU "faça o seu trabalho"

Cimeira nas Lajes: Amanhã será último dia para a diplomacia funcionar

Os quatro líderes apelam à unidade internacional na resolução da crise iraquiana
Foto
Os quatro líderes apelam à unidade internacional na resolução da crise iraquiana Stefan Rousseau/AP

"Amanhã será o momento de verdade para o mundo" e para a democracia na questão do desarmamento do Iraque, afirmou hoje o Presidente norte-americano, George W. Bush, no final da cimeira decorrida na Base das Lajes, Açores, na qual esteve reunido com os primeiros-ministros português, britânico e espanhol. Os quatro governantes esperam que "as Nações Unidas façam amanhã o seu trabalho", quando for votada uma segunda resolução sobre a questão iraquiana.

Numa conferência de imprensa conjunta entre o chefe de Estado norte-americano e os chefes de Governo português, Durão Barroso, britânico, Tony Blair, e espanhol, José Maria Aznar, foi o primeiro-ministro do país anfitrião a iniciar as declarações desta tarde. Durão Barroso afirmou que a reunião de hoje teve "um significado da maior importância para as relações transatlânticas" e que se tratou de uma "última oportunidade para alcançar uma solução política".

Inquirido pelos jornalistas sobre se Portugal, ao acolher nas Lajes esta cimeira, ficará com responsabilidades acrescidas numa eventual guerra, Durão respondeu: "a responsabilidade é inteiramente do ditador Saddam Hussein. É dele a responsabilidade de não ter respeitado durante anos o direito internacional e de ter violado repetidas vezes as resoluções das Nações Unidas". Ficou ainda a reafirmação de que "em caso de conflito, Portugal estará inteiramente ao lado dos seus aliados".

Bush tomaria a palavra de seguida, proferindo a frase emblemática e conclusiva da reunião dos quatro líderes: "Amanhã será o momento de verdade para o mundo", quando for votado o projecto de resolução apresentado pelos Estados Unidos e Reino Unido. "O regime iraquiano irá desarmar sozinho ou o regime iraquiano irá ser desarmado pela força. E o regime não desarmou por si", sublinhou Bush.

O chefe de Estado de Washington indicou que o objectivo será criar "o mais rapidamente possível, uma autoridade interina para analisar as capacidades do povo iraquiano para reconstruir a sua nação", onde o principal objectivo será "unificar o Iraque através de instituições democráticas". Para tal, acrescentou Bush, os Estados Unidos e os seus aliados contam com a "comunidade internacional, incluindo as Nações Unidas".

Bush avança ainda que "se for requisitada força militar, novas resoluções serão criadas no Conselho de Segurança para encorajar a participação estrangeira no apoio ao povo iraquiano para construir um Iraque livre".

Questionado pelos jornalistas se a via diplomática seria abandonada se amanhã fosse reprovada uma segunda resolução no Conselho de Segurança da ONU, Bush respondeu afirmativamente. "Amanhã será o dia em que ficará determinado se a diplomacia pode funcionar", sustentou, acrescentando: "esperamos que amanhã a ONU faça o seu trabalho. Se não, todos nós temos que tentar levar as Nações Unidas a funcionarem melhor".

Blair lança último apelo à unidade internacional

O primeiro-ministro britânico aproveitaria a sua intervenção para fazer um "último apelo" à comunidade internacional para lançar um "ultimato credível" ao regime iraquiano ao autorizar o uso da força, caso Bagdad continue a recusar a desarmar-se e a violar os seus compromissos com a ONU.

"Lançamos um último apelo para uma mensagem forte e unida em nome da comunidade internacional, uma mensagem que coloque um ultimato claro a Saddam Hussein autorizando o uso da força", disse Tony Blair.

O chefe do Governo de Londres acusou Saddam de "jogar os seus jogos" durante os últimos doze anos, desde a guerra do Golfo, e de a comunidade internacional continuar a deixar o Presidente iraquiano "jogá-los".

Blair sublinhou que a resolução 1441 do Conselho de Segurança da ONU, adoptada por unanimidade a 8 de Novembro último, deixou claro ao Iraque que não desarmar poderia trazer-lhe "consequências graves". O primeiro-ministro britânico considera que "depois de doze anos é o momento de decidir", ou deixar "que o processo de negociação se arraste indefinitivamente".

Blair fez ainda uma menção à nomeação pela Autoriddade Palestiniana, liderada por Yasser Arafat, de um primeiro-ministro palestiniano, Abu Mazen, considerando-o o "parceiro certo" para ajudar a comunidade internacional a conseguir a paz para o Médio Oriente, posição igualmente assumida pelo primeiro-ministro espanhol, durante a sua intervenção.

José Maria Aznar defendeu, por sua vez, que o Iraque está perante "a última oportunidade para desarmar", uma possibilidade que lhe sempre foi dada pela resolução 1441.

Aznar afirmou que durante a cimeira ficou renovado "o compromisso atlântico para a democracia, liberdade e Estado de direito", deixando o convite a todos os países "amigos e aliados a deixarem de lado quaisquer divergências e a trabalharem em conjunto" na resolução da crise iraquiana.