Fugas

Reportagem

São Tomé e Príncipe, magia sobre o equador

Chamava-se Alice e, na sua docilidade e timidez, representava a imagem de um povo singular e de uma ilha cuja beleza parece não ter limites. Era como uma pérola depositada na linha do Equador, a representação de um lugar onde o cheiro a clorofila e a terra molhada se nos cola à pele e o sorriso e a generosidade das crianças nos devolve a nostalgia da inocência. Uma viagem que deixa recordações e uma vontade irresistível de regressar um dia. 2003-10-25