Tentativa de evitar desastre ecológico na costa sul-africana

Operação de reboque do "Jolly Rubino" prestes a começar

O cargueiro encalhado no estuário de Santa Lúcia, na costa oriental da África do Sul, com 1100 toneladas de petróleo a bordo, vai ser hoje rebocado para o afastar da zona de reservas classificadas como património mundial pela UNESCO.

As equipas de salvamento vão tentar levantar e arrastar o gigantesco navio-cisterna da zona rica em vida selvagem e santuário de procriação para tartarugas, hipopótamos e crocodilos.

O plano é arriscado, mas o italiano "Jolly Rubino" está a deixar sair cada vez mais combustível e a pôr em risco o estuário, sendo o objectivo da tentativa de reboque afastá-lo da zona protegida. A água está invadida por uma mancha de crude, que poderá atingir a areia e as zonas húmidas, provocando um verdadeiro desastre ecológico.

"Os estuários são os mais dinâmicos de todos os ecossistemas e a introdução de petróleo teria um efeito muito adverso", avisou Richard Penn-Sawers, conservador do Parque World Heritage St Lucia Wetlands.

As equipas de salvados vão tentar colocar o gigantesco petroleiro de novo a flutuar, apesar da enorme racha que tem em todo o seu lado esquerdo, e depois rebocá-lo. Na praia já estão "bulldozers" a fazer muralhas de areia para evitar que a maré leve a mancha até à zona da reserva.

A embarcação italiana incendiou-se na quinta-feira à noite, antes de encalhar a 200 metros da costa.