Apesar do desmentido da UNITA

Fontes governamentais afirmam que Dembo morreu

A sorte do actual líder da UNITA continua incerta
Foto
A sorte do actual líder da UNITA continua incerta DR

A sorte do actual líder da UNITA, António Dembo, permanece envolta em mistério, numa altura em que se sucedem informações contraditórias sobre a sua morte. Depois de ontem o movimento do Galo Negro ter negado a morte do general, noticiada no início da semana pela rádio católica Ecclesia, hoje uma fonte governamental na província do Moxico afirmou à Lusa que Dembo morreu de fome, em data indeterminada.

Segundo esta fonte, que a Lusa não identifica, Dembo - vice-presidente da UNITA que assumiu a liderança do movimento após a morte de Jonas Savimbi, a 22 de Fevereiro - faleceu em local não especificado, perto da fronteira com a Zâmbia, tendo o seu funeral sido testemunhado por três viúvas de Savimbi, entretanto chegadas à cidade de Luena, no Moxico.

Apesar da missão militar criada pelo Governo de Luanda para investigar a veracidade das informações avançadas pela emissora católica estar ainda a caminho do Moxico, uma fonte próxima da investigação referiu que as autoridades angolanas têm a convicção que existe 95 por cento de probabilidades do sucessor de Savimbi estar morto.

Além de negar a morte do general Dembo, o representante da UNITA em Roma afirmou ontem, em entrevista à TSF, que estes rumores indicam apenas que o Governo "não tem para Angola um plano de paz e de reconciliação".

No entanto, outros representantes do movimento do Galo Negro na África do Sul e na Europa, ouvidos pela Reuters, admitem não ter conseguido contactar com os dirigentes militares no terreno, afirmando que os confrontos armados prosseguem. "Não foi possível confirmar se o general Dembo está ou não vivo. Não sabemos apenas por que é difícil entrar em contacto com as pessoas no terreno", afirmou um membro da UNITA em Joanesburgo.

De acordo com as fontes citadas pela Lusa, o cerco montado nos dois últimos meses pelas FAA à UNITA terá levado também à morte de outros dirigentes do movimento. Entre as vítimas referenciadas está o secretário das Relações Exteriores do movimento, Alcides Sakala, que terá morrido de fome, presumivelmente nos primeiros meses do ano. O antigo secretário para a Justiça do movimento, Celestino Kapapel, poderá também ter morrido de fome, a 5 de Fevereiro, acrescentam as mesmas fontes.

Referindo que na capital do Moxico se encontram dezenas de oficiais do movimento, entre os quais Kalias Pedro, chefe do Gabinete de Savimbi, fontes governamentais dizem desconhecer o paradeiro do secretário-geral da UNITA, general Paulo Lukamba Gato, um dos homens fortes do movimento, a quem caberá a sucessão de Dembo, caso se venha a confirmar a sua morte.