O regresso do virtuoso em disco e em concerto

Há mais de 20 anos que Pat Metheny exerce a sua arte, conquistando uma legião de detractores que apontam o seu virtuosismo bacoco como principal defeito, mas também uma multidão de admiradores que vive fascinada com o seu virtuosismo genial, e que já lhe proporcionou inúmeros galardões, 14 Grammys e uma agenda que compreende mais de 120 concertos por ano. "Speaking of Now", o disco do Pat Metheny Group que hoje chega aos escaparates, foi o pretexto para uma entrevista com Metheny, num hotel de Madrid.PAT METHENY - Continuo à procura da nota perfeita. Tudo o que se passa à volta disso são extras. A motivação que tinha quando comecei a tocar música é precisamente a mesma: a curiosidade sobre o que acontece quando se ouvem sons que adoramos. Porquê? O que faz esse som funcionar? Porque é que este tipo de expressão é tão prazenteiro? Para mim, é isso que conta. Os prémios... Quem me dera que significassem algo para mim, mas a verdade é que não me dizem nada. Gosto é de sentir que estou a tocar bem, ou sentir que escrevi uma peça que é verdadeiramente boa.