José Mourinho a caminho do Benfica

Foto

Mais de um ano depois de ter saído do Benfica de uma forma pouco clara, José Mourinho está de regresso a um clube de onde foi embora incompatibilizado com a actual direcção, e há bem pouco tempo protagonizou um novo episódio que foi criticado na Luz.

Tudo terá ficado acertado na reunião prevista para ontem à noite entre Manuel Vilarinho, presidente benfiquista, e o ainda treinador da União de Leiria, e depois de um primeiro contacto na véspera. Um encontro necessário para discutir os termos do contrato, a desvinculação do clube leiriense, a equipa técnica e sobretudo para sanar os conflitos que foram acontecendo desde 5 de Dezembro de 2000, dia em que Mourinho saiu do Benfica, tendo então sido substituído por Toni, a quem agora deve suceder. Segundo fonte do clube, não se esperavam problemas em chegar a um acordo.

No caso da equipa técnica, o Benfica não quer que José Carlos Mozer seja adjunto de Mourinho, como já havia sido na altura. A mesma fonte diz que o Benfica pretende que da actual equipa técnica continuem Jesualdo Ferreira (adjunto), José Gomes (preparador físico) e Samir Shaker (treinador de guarda-redes). "Têm contrato e queremos honrá-lo. E interessa-nos que fiquem", disse a mesma fonte. Mas é também possível que Jesualdo continue no clube, mas noutras funções. Seja como for, Jesualdo vai ainda hoje treinar o plantel "encarnado" e talvez nos próximos dias, sendo ainda possível que esteja no banco frente ao Marítimo (jogo da última jornada da primeira volta da I Liga).

A estreia de Mourinho poderá ocorrer só depois.Mourinho, por seu lado, tem de chegar a acordo com a União de Leiria: tem uma cláusula no seu contrato que o obriga a um aviso prévio de seis meses em caso de sair antes do final da ligação (a qual só termina no final da temporada 2002/2003) o que já não poderá acontecer neste caso porque o Benfica quere-o já. Assim, ao que parece terá de repor uma quantia igual ao que iria receber nos seis meses que faltam até final da época (12 mil contos).

Ontem, José Mourinho jogou à defesa em Leiria, disse que apenas pensa nos jogadores e no clube onde está e que hoje estará no treino leiriense.A menos de um mês de fazer 39 anos, Mourinho conseguiu vingar a imagem de treinador competente, com ideias modernas de futebol, junto dos adeptos do Benfica - ontem era o mais desejado entre os benfiquistas -, apesar dos diferendos com a direcção de Vilarinho.Em dois meses no Benfica, onde rendeu Jupp Heynckes, conseguiu seis vitórias, três empates e duas derrotas, em jogos do campeonato, Taça UEFA e Taça de Portugal. Mas as eleições de Outubro de 2000 trouxeram um novo presidente (Vilarinho), que algum tempo antes dissera que o seu treinador era Toni. Os bons resultados de Mourinho e o futebol agradável da equipa impediram Vilarinho de despedir Mourinho.

Ontem, Vilarinho disse que aquela afirmação relativa a Toni foi feita quando Heynckes era ainda o treinador do Benfica, dando a entender que caso fosse Mourinho não o teria dito. Abriu assim o caminho para o seu regresso.Mourinho acaba por sair da Luz após uma vitória clara sobre o Sporting (3-0). No dia seguinte reúne-se com Vilarinho e diz que só continua se lhe renovarem o contrato por mais uma época. Essa pressão, como Mourinho reconheceu, não foi aceite e o técnico demite-se, considerando aquela recusa como "uma prova de pouca confiança".

A resposta surge pelo "vice" Tinoco de Faria, apupado pelos adeptos, segundo o qual Mourinho fez um ultimato a Vilarinho. Revelou ainda que Mourinho ameaçou assinar por outro clube (falou-se no Sporting) se não fosse aceite a sua proposta. Algum tempo depois, Mourinho desmentiu que existisse outro clube interessado no seu concurso e admitiu que "foi um modo de pressionar a direcção". Diria ainda numa entrevista que "Manuel Vilarinho não manda nada no Benfica", mas já na actual época - e depois de ter substituído Manuel José em Leiria -, fez "mea culpa": "Lamento a forma como saí do Benfica." Esta aproximação foi bem vista na Luz: "(..) Se não fossem as suas exigências, possivelmente teria permanecido no comando da equipa", respondeu Vilarinho. Mas já este mês a relação voltou a azedar. Mourinho diz em Leiria que seria campeão no Benfica com "dois ou três jogadores da União".

Mourinho foi condenado pelo Benfica através do seu assessor João Malheiro e por Toni, que acusa o seu colega de não respeitar "normas de conduta e princípios deontológicos" da profissão. O seu regresso é também a vitória de uma facção na direcção do Benfica: Vilarinho é quem mais defende a reentrada de Mourinho, apesar de tudo o que se passou, enquanto Luís Filipe Vieira, gestor para o futebol, é defensor de Toni. A 8 de Dezembro, dia da derrota em Paços de Ferreira (2-1), Vieira disse no Porto que "não há substituição da equipa técnica enquanto me quiserem no Benfica", colocando-se uma vez mais ao lado de Toni. Resta saber em que posição fica agora.

Ainda ontem, foi bastante contestado por Vítor Santos, que foi um dos accionistas de referência desta direcção: Acusou Vieira de ser o responsável pelo falhanço na contratação de Jardel e foi cáustico: "Os benfiquistas têm de se unir, têm de estar todos juntos e não entregar o nosso clube, que em termos comerciais, será um hipermercado a um senhor [Vieira] que vinha de dirigir um minimercado."