Para combater eleitores «fantasmas»

Óbitos passam a ser obrigatoriamente comunicados ao recenseamento eleitoral

Para António Costa as alterações hoje aprovadas vão evitar «o empolamento dos cadernos eleitorais»
Foto
Para António Costa as alterações hoje aprovadas vão evitar «o empolamento dos cadernos eleitorais» Pedro Cunha

O Governo aprovou hoje um decreto que tem como objectivo combater os eleitores "fantasma" em actos eleitorais, obrigando os serviços de registo civil a comunicarem os óbitos ao recenseamento eleitoral.

De acordo com o ministro da Justiça, António Costa, com as alterações agora introduzidas ao Código de Registo Civil evita-se "o empolamento dos cadernos eleitorais".A existência de eleitores "fantasma" tem gerado dúvidas sobre qual a real taxa de abstenção existente em Portugal nos últimos actos eleitorais.
A partir do momento em que seja certificado um óbito, a Base de Dados de Identificação Civil e de Recenseamento Eleitoral tem de receber essa informação, o que permitirá uma permanente actualização dos cadernos eleitorais.
Por outro lado, o diploma introduz mecanismos de simplificação da transcrição de assentos e a "eliminação dos averbamentos de trasladação, cremação e de incineração de cadáveres".

Sugerir correcção