A torre da Segurança Social em Viseu

As críticas à arquitectura (e não a crítica de arquitectura) têm, em Portugal e nos últimos tempos, reduzido todo o discurso possível a duas ideias simplistas: -"preservar os centros históricos" - demolir os "mamarrachos".A política nacional e os políticos parecem ter também como prioridade para as cidades demolir os "mamarrachos". Estes parecem ser edifícios-torre, que variam entre os 100 palmos de altura da Casa dos 24 (no Porto) e os 16 pisos da torre da Segurança Social (em Viseu) e que se situam nos centros históricos das cidades ou na proximidade. Se estiverem na periferia, não são, naturalmente, "mamarrachos".Em Viseu, a torre da Segurança Social encontrou o seu espaço numa avenida larga, rasgada a partir do Rossio, que desenvolveria a cidade para norte. Nesta avenida instalaram-se a central de camionagem, bancos, escritórios, instituições, edifícios de habitação, como em qualquer avenida moderna de qualquer cidade. A torre de Viseu constituiu-se, assim, como edifício de referência da cidade nova (na sequência do projecto, não realizado, de Fernando Távora para Aveiro, ainda dos anos 50), símbolo da providência do Estado e albergando uma função tão nobre e significativa como a da Sé Episcopal - embora haja políticos da esquerda local que não pensem o mesmo, preferindo "empurrar" a Segurança Social para a periferia..."A sede da Caixa de Previdência de Viseu (...) desejava afirmar de modo intencional um contraponto contemporâneo à zona antiga da cidade, tomando como referência (...) modelos internacionais, cosmopolitas, carregados de valores de modernidade, de progresso. O Estado assumia assim a sua representação com uma linguagem do presente e uma monumentalidade de novo tipo. (...) Que o arquitecto autor deste projecto (Luís Amoroso Lopes, 1913-1995) tenha sido também o principal responsável pelos trabalhos de recuperação do centro histórico de Viseu pode constituir, à primeira vista, um paradoxo desconcertante. No entanto, as marcas de uma sólida cultura arquitectónica e urbana, do conhecimento e respeito pela história, de uma sensibilidade segura, estão aí bem evidentes. No compromisso que se procurava estabelecer entre as tipologias do Movimento Moderno e os espaços urbanos tradicionais - a rua, a praça, o quarteirão. Ou no sereno classicismo do volume puro da torre, de geometria rigorosa e estrita, sabiamente acentuado nos seus momentos essenciais: nos dois pisos inferiores, recuados para acentuar a aparente leveza do volume que neles se apoia; no topo, onde a laje de coroamento, marcando uma sombra profunda, parece flutuar sobre o último piso". (Martins, João Paulo, in Pereira, Nuno Teotónio, et al, "As Sedes dos Serviços Regionais", Secretaria de Estado da Segurança Social, Lisboa, 1997).Em Viseu, definitivamente, a polémica não se percebe:- a torre não está no centro histórico;- a torre é um dos bons exemplos da arquitectura contemporânea da cidade;- a torre situa-se por entre edifícios claramente desqualificados (esses, sim, "grandes aberrações"...) como quase toda a arquitectura recente de Viseu - as fotografias da área urbana envolvente, nos artigos anteriores do PÚBLICO são disso elucidativas;- a torre funciona, tem vida e é necessária;- a torre está enraizada e é uma referência.O mais sensato seria, sem dúvida, propor a conclusão do projecto, nunca finalizado, para o espaço envolvente da torre, pelo menos nos seus princípios fundamentais e com um programa cívico actualizado - um quarteirão de forma triangular, edificado ao longo do seu perímetro (que incluía um cinema e um teatro), mas simultaneamente permeável e percorrível em todos os sentidos, através de uma praça interior, utilizável como espaço público.As propostas em cima da mesa, de implosão e, ainda mais ridícula, de redução de vários andares não deveriam passar de comentários de café - o que é sintomático do "grau zero" da discussão arquitectónica e urbana que tem acompanhado o desenvolvimento(?) recente das cidades médias portuguesas.*Arquitectos, assistentes do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra