Crítica

Buena Vista Social Club

Wenders parece estar hoje reduzido ao papel de cineasta-turista, passeando-se por paisagens estrangeiras à procura da inspiração que há muito lhe fugiu. Sob a forma de travellings e panorâmicas "Buena Vista Social Club" é uma sucessão de bilhetes postais de Havana, supostamente capazes de encontrar e transmitir as raizes da música que lhe serviu de pretexto. O documentário pretendia-se impressionista, saiu apenas apático e informe. Antes assim: se Wenders não tem ideias (nem boas nem más) não corre o risco de deitar o filme inteiramente a perder. À boleia da fotogenia modorrenta de Havana e do carisma de Compay Segundo, Ibrahim Ferrer, Ruben Gonzales, etc, assiste-se a "Buena Vista Social Club" como a um longo "clip" onde mesmo que não haja muito para ver há o bastante para ouvir.