Prata, bronze ou nada

A última regata da classe 470, programada para amanhã, será decisiva para a equipa portuguesa, que depois de ter liderado a frota nos primeiros dias luta agora pelas medalhas de prata ou bronze com os americanos, argentinos e ingleses. A medalha de ouro está quase nas mãos dos australianos.

Com dois maus resultados nas regatas disputadas ontem na baía de Sydney - 25º e 16º lugares -, a dupla portuguesa Álvaro Marinho/Miguel Nunes só tem hipótese de ganhar as medalhas de prata ou bronze na classe 470, após dez provas realizadas da série de 11 percursos programados. Amanhã (madrugada de quarta-feira em Portugal), será o dia decisivo para os portugueses, que têm três fortes adversários pela frente.A veterana equipa australiana Tom King/Mark Turnbull (actual campeã do mundo) lidera a frota com 36 pontos, seguida de perto pela dupla americana Paul Foerster/Robert Merrick (líder do "ranking" mundial), com 41 pontos; em terceiro lugar, com 47 pontos, encontram-se os argentinos Javier Conte/Juan de la Fuente (3º lugar na Sydney Harbour Regatta); em quarto lugar está a equipa inglesa Nicholas Rogers/Joe Glanfield, com 51 pontos; em quinto colocam-se os portugueses, com 52 pontos. A última regata deve ter marcações muito apertadas e um erro pode ser fatal para qualquer das equipas envolvidas na discussão dos primeiros lugares."Estamos agora numa posição crítica, mas acho que funcionamos melhor sob pressão", disse Álvaro Marinho ontem, depois de horas a tratar de um protesto que apresentou ao júri internacional contra a equipa ucraniana Braslavets/Matvienko. Esta equipa acabou por ser desclassificada na última prova do dia, perdendo o 3º posto na tabela geral e, consequentemente, a possibilidade de figurar entre os favoritos na luta pelas medalhas."Logo depois da largada da segunda regata, os ucranianos estavam a velejar paralelos à nossa rota e, de repente, manobraram e vieram em rumo de colisão para cima de nós, sem direito de passagem. Fomos forçados a arribar e passar por trás deles", explicou Marinho, visivelmente aliviado por ter um adversário a menos amanhã. No entanto, a equipa espanhola Gustavo Martinez/Tunte Cantero ganhou um ponto com a desclassificação dos ucranianos e pode ainda surpreender na prova final.Hoje, a frota de 470 tem um dia de descanso enquanto os velejadores das classes Laser - com o português Gustavo Lima em 4º lugar entre 43 veleiros - e Europe - com a velejadora Joana Pratas em 21º lugar na frota de 26 barcos - voltam aos respectivos campos de regata na baía de Sydney para a disputa das 7ª e 8ª provas da série de 11 regatas programadas.Hoje também embarca de regresso a Lisboa o velejador Afonso Domingos, timoneiro do veleiro da classe 49'er - um "design" australiano que se estreou com sucesso nestes Jogos -, classificado em 7º lugar da geral (o que dá direito a um diploma olímpico), um posto adiante da dupla australiana Nicholson/Phillips (tricampeões do mundo), após a disputa da última das 16 provas previstas. A medalha de ouro acabou por ficar com a dupla finlandesa Johanson/Jarvi (3º lugar no Campeonato do Mundo deste ano), a de prata foi para a equipa britânica Barker/Hiscocks e a de bronze para os irmãos americanos McKee. As equipas vitoriosas içaram as velas balão com as cores de seus países (que haviam sido substituídas durante a competição) e desfilaram por todo o trajecto entre o campo de regatas, situado em frente à Opera House e à marina da baía Rushcutters. "Terminámos a regata em 8º lugar, depois de termos navegado quase em penúltimo posto na primeira parte do percurso barlavento/sotavento. E ainda ocorreu uma leve colisão com a barra de leme do barco alemão, que não tinha direito de passagem e autopenalizou-se de seguida", resumiu Domingos.Enquanto desmontava o barco e arrumava os equipamentos num contentor para serem despachados via marítima para Portugal, Domingos adiantou os seus planos para o futuro. "É possível que a classe 49'er continue a figurar na frota olímpica, mas a confirmação só acontecerá em Novembro, depois da reunião anual da Isaf [International Sailing Federation]. Para já, retomo o posto de timoneiro a bordo do iate português 'Bigamist Too' para as regatas em Belém e Cascais e, em Outubro, disputarei o Campeonato Nacional de 'match racing' na Madeira", revelou Domingos.