Música que não se vê

A Telepac e a Valentim de Carvalho apresentaram o projecto Homem Invisível: um CD com acesso à Internet, samples e "software" para os remisturar e ainda 11 faixas musicais em que participam nomes como Rui Reininho ou Rui Pregal da Cunha. O Homem Invisível propriamente dito é que nem vê-lo.

"Não é só nas estações de televisão que isto acontece, no mundo real também", diz Manuel Falcão, administrador da Valentim de Carvalho, enquanto se espera infrutiferamente por uma ligação por videoconferência a Rui Pregal da Cunha, em Londres. Uma falha técnica não é um início muito auspicioso para um ambicioso projecto "multimedia", mas o resto da conferência de imprensa de apresentação do Homem Invisível, na terça-feira passada em Lisboa, até correu bem.Quem é o Homem Invisível, pergunta o leitor. Na conferência de imprensa não se veio a saber, mas ficou pelo menos desvendada parte do mistério à volta do projecto. "O Homem Invisível" é um CD que inclui 11 faixas originais, 92 samples que podem ser remisturados com o "software" PlayR (também incluído no disco) e um Netpac (acesso à Internet através da Telepac, com 20 horas já incluídas). Há ainda uma faixa extra, disponível gratuitamente em mp3 para "download" apenas para clientes da Telepac, no "site" www.invisivel.pt. na Internet. O Homem Invisível estava presente na conferência - embora, evidentemente, não se conseguisse vê-lo. Foi a sua voz que deu as boas-vindas aos jornalistas e que explicou que "este projecto não é uma manobra de 'marketing', mas uma necessidade criativa". Segundo ele, "este trabalho não podia ter uma cara em particular, tem a cara de quem personalizar os samples, do recriador" da música disponível no CD. "Que face tem uma multidão e será ela por isso menos visível que o indivíduo? A obra em si não mostra mais que o conhecimento do indivíduo? Os sentimentos serão visíveis?" Estas foram as perguntas colocadas pelo Homem Invisível, que no entanto recusa dar "respostas a dúvidas existenciais".Pedro Salgueiro, da Telepac, explicou então o funcionamento do CD: para além de se poder ouvir numa aparelhagem como qualquer disco normal, também pode ser usado para ter acesso à Internet e para criar música a partir dos 92 samples incluídos, ou seja, um CD com "três formas de entretenimento: surfar na web, ouvir o disco, criar música".Pela Valentim de Carvalho (VC), Manuel Falcão referiu que a maquete do projecto Homem Invisível foi apresentada à NorteSul (a principal "label" da VC) há uns dois anos e meio. "O produto começou por ser musical com algum 'multimedia', mas para isso era necessária uma extensão à Internet, daí a associação à Telepac. É um projecto com um conceito artístico e criativo que reúne áreas muito diferentes."O disco do Homem Invisível conta com participações de inúmeros convidados, entre os quais Rui Reininho (GNR), Paula Navarro (ex-Shout) e Gabriel Gomes (Sétima Legião). Um deles, o ex-Heróis do Mar, LX90 e Kick Out the Jams Rui Pregal da Cunha, deveria participar na cerimónia via videoconferência. Mas as coisas não correram bem e não se percebeu mais nada das palavras de Pregal da Cunha senão "a ligação está muito má" e "estou muito contente por ter participado neste projecto". O próprio Homem Invisível não conseguia decifrar a voz do seu cúmplice: "Estou com uma audição do estilo 'Apollo calling Houston', espero que tenham percebido melhor que eu."Esta parceria entre a Telepac e a Valentim de Carvalho é uma iniciativa paralela ao desenvolvimento de um portal vertical português na Internet dedicado exclusivamente à música, que deverá estar associado ao popular portal Sapo. Por enquanto, ainda pouco se sabe sobre o conteúdo desse portal, excepto que ele deverá estar "online" já em Março.Da música propriamente dita é que não se falou muito, até porque a edição do disco ainda não tem data marcada. Uma primeira audição do álbum permite distinguir uma mistura muito electrónica de dub, funk e até drum'n'bass, em que se destacam as vozes dos vários vocalistas convidados.