Torne-se perito

Os eslavos do Sul

De todos os Estados da Europa central e balcânica, aquela que foi a Jugoslávia (na sua versão anterior a 1991) apresentava a estrutura étnica mais complexa, sendo difícil estudar os seus povos isoladamente, sobretudo a partir de finais do século passado. No entanto, é possível pintar em traços largos a caminhada de cada um deles. Segue-se uma breve história:

País sensivelmente com o tamanho e a população de Portugal, a Sérvia faz parte da grande família linguística eslava, que totaliza mais de 260 milhões de cidadãos, distribuídos desde as margens do Adriático até às terras da antiga União Soviética.Estêvão Nemanta proclamou-se Rei dos sérvios em 1217 e criou uma igreja ortodoxa independente, que ao longo dos séculos muito se identificaria com a própria nacionalidade, ajudando a Sérvia a procurar a hegemonia nos Balcãs.Em meados do século XIV, os sérvios foram vencidos pelos turcos no Kosovo e tornaram-se vassalos do Império otomano, só tendo recuperado a independência em 1878, aquando do Congresso de Berlim.Quando em 1914 a Sérvia rejeitou o ultimato austro-húngaro, motivado pelo assassínio em Sarajevo do arquiduque Francisco Fernando, principiou a I Guerra Mundial, tendo sido ocupada de 1915 a 1918, ano em que se criou o reino dos sérvios, croatas e eslovenos, a partir de 1929 chamado Jugoslávia, ou pátria dos eslavos do Sul.O rei Alexandre I foi assassinado em Marselha em 1934 por um extremista croata, tendo-lhe sucedido seu irmão Pedro II, derrubado por uma revolução durante os anos da II Guerra Mundial. A Sérvia chegou então a estar ocupada pela Alemanha, antes de se ter criado a República Federativa da Jugoslávia.No início do século XVI as tribos do Montenegro, território outrora conhecido como Zeta, agruparam-se, em Boka Kotorska e em Cetinje, em redor dos seus chefes espirituais, oriundos da família dos Petrovitch Njegoch, e passaram a transmitir o poder de tio para sobrinho.As dificuldades sentidas com os turcos, em expansão pela Europa, levaram os montenegrinos a travar-se de amizades com os russos e em particular com o czar Pedro, "o Grande". O bispo Pedro I Njegoch fez a sua dignidade de metropolita independente ser reconhecida pelo Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa e pelo Patriarcado de Constantinopla. Também introduziu o primeiro código escrito e reorganizou a Justiça.Em 1848, o bispo filósofo Pedro II Petrovitch Njegoch, senhor de grande cultura, apoiou o levantamento dos eslavos contra os turcos na Herzegovina, na Metohija e na Albânia meridional.Dez anos depois, Danilo Petrovitch obteve um traçado preciso das fronteiras e o reconhecimento da independência do Montenegro, que em 1912 passou de principado a reino.Em 1918, um Conselho Nacional reunido em Podgorica depôs o rei Nikita e votou a incorporação no reino dos sérvios, croatas e eslovenos.Depois da II Grande Guerra, e durante algumas décadas, Podgorica chegou a chamar-se Titogrado, a cidade de Tito.Instalados na actual Eslovénia em finais do século VII, os mais ocidentais dos eslavos do Sul colocaram-se no século seguinte sob a protecção dos bávaros e foram com eles arrastados para o império de Carlos Magno, depois Sacro Império Romano-Germânico.Os Habsburgos, senhores da Áustria, tomaram, no fim do século XIII, o controlo das terras eslovenas, que no século XIX Napoleão Bonaparte integrou nas chamadas Províncias Ilíricas do império francês, com a capital em Liubliana. Quando em 1941 se desfez a Jugoslávia criada em 1918, a Eslovénia foi partilhada pela Alemanha e pela Itália, voltando em 1946 a fazer parte do conjunto jugoslavo, até 1991, ano em que se tornou independente, sob a presidência de Milan Kusan, que fora secretário da Liga dos Comunistas. A superfície da Eslovénia não ultrapassa os 20.200 quilómetros quadrados, com uns escassos dois milhões de habitantes, católicos, situados na zona de passagem das terras germânicas para os Balcãs.O primeiro Rei dos croatas foi Tomislav, em 925, tendo a sua independência sido reconhecida pelo Papa João X, mas não pelo Imperador de Bizâncio.No século XII, a Croácia ficou dependente da Hungria, da qual só se afastaria em 1918, para se associar aos eslovenos e aos demais eslavos do Sul.Na Jugoslávia ocupada em 1941 pelas potências do Eixo constituiu-se um Estado croata controlado por alemães e italianos, com o Governo entregue ao advogado Ante Pavelic, fundador do grupo terrorista ustachi.Depois da guerra, e sob a presidência federal do marechal Tito, os croatas estiveram associados aos sérvios, mas em 1991 proclamaram-se independentes, sob a direcção de Franjo Tudjman, nascido em 1922.A Croácia ocupa uma grande parte do litoral da antiga Jugoslávia, desde a península de Ístria, junto à cidade italiana de Trieste, até à costa do Montenegro, englobando estâncias turísticas tão importantes como Split e Dubrovnik, a antiga Ragusa dos tempos medievais, que foi veneziana de 1205 a 1358.Codificada no início do século XIX, a língua servo-croata tem a particularidade de admitir duas transcrições: em caracteres cirílicos para os sérvios e em caracteres latinos para os croatas, que são católicos e voltados para o Ocidente.É difícil falar de um povo bósnio, dado que toda a população da Bósnia-Herzegovina fala o servo-croata, tal como as populações vizinhas, tendo os acordos de Dayton dividido o país numa República Sérvia e numa Federação Croato-Muçulmana, bem ilustrativas da pluralidade de populações existentes nas terras da antiga Jugoslávia.Quarenta por cento da população é muçulmana, 32 por cento ortodoxa sérvia e 18 por cento católica, croata, de onde a dificuldade de se conseguir a identidade desse conjunto de quatro milhões e meio de seres humanos, distribuídos por 51.100 quilómetros quadrados, com a capital em Sarajevo.A bandeira da Bósnia-Herzegovina inspira-se na heráldica francesa, com um campo azul semeado de lírios de ouro, mas a verdade é que, a partir de 1435, os bósnios tiveram de pagar tributo ao Império otomano, que procurou islamizá-los.Foi em resultado da influência turca que ficou ali, em plena Europa meridional, um segmento populacional que não se reconhece nos croatas nem nos sérvios, apesar dos laços linguísticos e étnicos, que não se conseguiram impor à diferenciação religiosa.Criou-se assim um dos maiores quebra-cabeças da Europa contemporânea, que só o futuro irá ajudar a resolver. Encontra-se aqui um povo que é simultaneamente dos mais antigos e dos mais jovens do continente europeu. Não foi conhecido como povo durante largos séculos, desde a campanha fulgurante de Alexandre, "o Grande" quase até à actualidade.Eslavos libertados dos turcos em 1912, os macedónios foram logo a seguir cobiçados por sérvios e por búlgaros, tendo em 1946 passado a constituir uma das repúblicas da Jugoslávia, com 25.700 quilómetros quadrados e a capital em Skopje.A região conquistada pelos romanos e depois parte integrante do Império do Oriente foi a partir do século VII reivindicada por búlgaros e por bizantinos, mas também viria a ser alvo do interesse sérvio, antes de os turcos lá terem chegado em finais do século XIV.Apoiada pela Bulgária e pela Turquia, a actual Macedóni