O burguês da Foz que tomou de assalto a Câmara do Porto

Rui Moreira foi o rosto de um certo Porto burguês e culto que tomou de assalto a câmara da cidade

Rico, bem-falante e empenhado, Rui Moreira foi o rosto de um certo Porto burguês e culto que tomou de assalto a câmara da cidade. Empurrado por uma liga de personalidades influentes, ajudado por Rui Rio, beneficiado pelos erros dos seus adversários, o empresário demorou 13 anos a construir um projecto que demoliu fronteiras sociais, promoveu uma frente unida entre as elites e os bairros populares e derrotou as máquinas bem oleadas e bem financiadas dos partidos. O Porto bairrista, orgulhoso e refilão ajuda a explicar o que aconteceu. E o que aconteceu abriu uma nova página na história política portuguesa

Se há seis meses inquirissem Rui Moreira sobre o momento mais importante da sua vida, ele poderia ter citado o dia em que, aos 35 anos, vendeu as suas empresas, ficou ainda mais rico e passou a ter uma vida mais relaxada. Poderia ter lembrado a prisão do pai nos dias de brasa de 1975, ou talvez o nascimento do primeiro filho, ou o dia em que se licenciou com distinção na Universidade de Greenwich, em Londres. Talvez tivesse até escolhido uma daquelas memórias anódinas na aparência mas determinantes na vida das pessoas, como a lembrança de um trenó igual à que faz a magia do filme da sua vida, Citizen Kane, de Orson Welles. Depois de domingo, 29 de Setembro, porém, Rui Moreira reconhece "não saber ao certo" o que escolher como momento da sua vida. Nesse dia entrou directamente na história do Porto e do país. Nesse dia, o que parecia improvável há apenas meia dúzia de meses tinha acontecido: Moreira, um independente apoiado pelo CDS e por uma facção do PSD, conquistara a câmara da segunda cidade do país. Tornara-se a figura mais surpreendente e exaltada das eleições autárquicas.

Quem é Rui Moreira? Como pôde um independente ser capaz de bater candidaturas organizadas e opulentas, oleadas por aparelhos partidários experimentados e movidas por recursos financeiros e humanos incomparáveis? Empresário, líder da circunspecta Associação Comercial do Porto (ACP), comentador de futebol, dandy, membro de uma elite, estudioso e bem-falante, ora afável com os mais próximos ora implacável com os seus detractores ou adversários, Rui Moreira recebeu nas eleições autárquicas o prémio que foi lenta e laboriosamente construindo nos últimos 13 anos. Uma a uma, foi encaixando as peças, à espera de uma oportunidade. Um artigo aqui, uma prelecção além, um estudo acolá. Quando a oportunidade chegou, serviu-se da notoriedade adquirida, espatifou a ordem política dos partidos, confirmou que o Porto é um lugar estranho para a política convencional e tornou-se uma figura comentada em todos os cantos do país.

O que tinha acontecido? Nas horas que se seguiram, analistas meio aturdidos ou dirigentes partidários no activo, cidadãos do Porto ou de Faro procuravam pistas para a surpresa. Avaliavam o apoio de Rui Rio, tentavam explicações no descrédito dos partidos, na campanha de "porco no espeto" de Menezes, na falta de jeito de Manuel Pizarro, o candidato pelo PS, ou na punição do eleitorado ao PSD. Cedo se percebeu que estas justificações não bastavam para explicar a excepção da eleição no Porto. Alguns apontaram para a natureza específica da cidade, para a sua identidade, para o seu bairrismo de feição rural, para a sua ousadia, para a sua história. Pacheco Pereira falou do ethos do Porto, onde, como precisa Artur Santos Silva, "é fácil encontrarmo-nos, falarmos uns com os outros, desenvolvermos relações de amizade e de cumplicidade", onde "um certo espírito liberal e burguês está ainda muito vivo", na avaliação do historiador Hélder Pacheco. Mas se havia, de forma real ou mitificada, uma identidade portuense capaz de trazer uma novidade radical à política portuguesa, faltaria sempre alguém capaz de a interpretar.

É aqui que surge Rui Moreira, "esse filho da alta burguesia da Foz, com a imagem cuidada de homem empreendedor, de espírito aberto e cosmopolita", um candidato capaz de "preencher todos os requisitos para encarnar o mito do Porto burguês, liberal, independente e aberto ao mundo", escreveria dias depois no PÚBLICO o socialista Francisco Assis. "Raramente um homem se adequou tão perfeitamente a uma representação mental de uma cidade", acrescentaria Assis, deixando subentendidas as heranças que remontam à primeira metade do século XIX, quando o Porto liderou o combate pelo fim do Antigo Regime e pela instauração do constitucionalismo liberal.

"Rui Moreira é um liberal no sentido da defesa dos direitos civis. Não o vejo como um homem de direita. Ele enquadra-se aí, num certo pensamento republicano, numa certa tradição liberal de esquerda, setembrista e patuleia", diz Hélder Pacheco. Há alguns anos, quando um grupo de jovens propôs à comissão de toponímia da cidade, que ambos integravam, a atribuição do nome de uma rua a Gisberta, a transexual assassinada por um grupo de menores em Fevereiro de 2006, apenas Rui Moreira e Hélder Pacheco concordaram. "Para mim e para o Rui Moreira, essa proposta era uma denúncia da intolerância que a cidade não podia aceitar. Ficámos sozinhos na votação", recorda Pacheco.

Uma família tradicional

Rui de Carvalho de Araújo Moreira nasceu no Porto a 8 de Agosto de 1956. Por ser o primeiro dos oito filhos de Maria José e de Rui Moreira, teria tarde ou cedo de arcar com a responsabilidade do morgadio e da linhagem de uma família profundamente ligada aos negócios pelo menos desde a segunda metade do século XIX. A irmã Bárbara recorda-se de como essa responsabilidade se exercia no quotidiano da família: "O pai sempre depositou muitas esperanças no Rui. Punha-o a discursar sobre as coisas do dia, habituando-o a falar em público." Numa entrevista com Anabela Mota Ribeiro ao Jornal de Negócios, Rui Moreira assumiria esse peso, concedendo: "Tinha um enorme receio de desapontar o meu pai." No dia em que conquistou a Câmara do Porto, Rui Moreira publicou no Facebook uma fotografia a preto e branco que o retrata sorridente, no final da sua adolescência, ao lado do seu pai. A mensagem: "Mas é este senhor quem me inspira, com quem aprendi."

Numa sociedade na qual a educação era ritualizada em torno de códigos sociais tão bem expressos nos livros de Agustina Bessa-Luís, na família falava-se das artes (o pai de Rui Moreira tinha aprendido a tocar piano com Helena Sá e Costa), dos negócios e do Porto. No seu livro Uma Questão de Carácter, Rui Moreira apresenta-se: "Nasci no Porto, numa família tradicional, onde se conversava muito e onde os temas portuenses estavam sempre presentes. Cresci num tempo em que ainda ninguém tinha esquecido o palácio de Cristal e a sua demolição." O Porto como tema, como destino, como paixão retratava-se nos jornais que no final dos anos de 1950 registavam as partidas e as chegadas dos navios mercantes, davam conta dos bailes, das visitas, das soirées da gente fina, onde se noticiavam os concertos de música erudita e se concedia ao noticiário local importância de primeira página.

Nem todas as famílias da alta burguesia portuense podiam, ainda assim, reclamar a mesma envolvência na política e nas causas cívicas, do Porto ou do país, como, por exemplo, os Santos Silva, velhos republicanos de esquerda desde o 31 de Janeiro de 1891, com um longo e por vezes custoso passado oposicionista. Rui descende dos Fonseca Araújo, armadores de navios com rotas para o Brasil e para a Terra Nova, banqueiros e abastados terratenentes - eram os donos do Palácio da Brejoeira, no Alto Minho. Um Fonseca Araújo foi presidente da Associação Comercial do Porto no final do século XIX. Pelo lado da mãe, a genealogia de Rui Moreira tempera os negócios com uma vocação para a arte. Neste ramo, destaca-se Emílio Biel (1838-1915), um alemão que veio para Portugal construir centrais eléctricas em nome da Siemens, mas que perduraria na história como um dos pioneiros da fotografia, deixando um valioso registo de imagens sobre a construção do caminho-de-ferro ou sobre a obra do Porto de Leixões.

Na memória da família, a armação de navios persistiria nos negócios do trisavô e do avô, instigado a deixar uma carreira académica na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, para ajudar a vencer os impactes da Grande Depressão de 1929. A E. A. Moreira resistiria à vaga de falências que a depressão da economia mundial provocou nos anos 30, mas mais pela solidez das finanças da família e pelos saberes do bisavô do que pela gestão do avô, que Rui Moreira sempre viu sobretudo como "académico". Seria o pai, enviado para estudar Gestão em Inglaterra logo a seguir ao final da II Guerra Mundial, que se destacaria no mundo dos negócios do Portugal que, após a adesão à Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA), em 1960, conhece um período de acelerado crescimento económico. "O Rui Moreira pai foi um dos empresários mais dinâmicos da geração dos anos 60", recorda Artur Santos Silva. Aproveitando uma patente de um judeu alemão que chegara a Portugal em fuga ao nazismo, Rui Moreira fez da Molaflex, uma indústria de colchões com molas, a cabeça de um império industrial que no estertor do Estado Novo contava com seis fábricas e empregava 1800 trabalhadores.

Os primeiros anos de vida de Rui Moreira decorreram assim sob o signo da prosperidade. A família, quer a sua geração quer a do pai e do avô, habitavam um palacete na Avenida de Montevideu, de janelas abertas para o passeio da Foz e para o Atlântico. O seu escritório ocupa ainda a ampla sala do primeiro andar que em tempos foi o seu quarto. Os três primeiros anos da escola primária passou-os no Colégio Alemão. Na quarta classe, mudaria para o Colégio Brotero. A família cresceu e Rui começou a assumir a responsabilidade que o pai desde sempre lhe procurara incutir. Enquanto Tomás, o segundo mais velho, era rígido (os irmãos chamavam-lhe carinhosamente "o alemão"), "o Rui era mais aberto, mais próximo e muito protector em relação aos irmãos. Era muito ternurento e sensível. Não podia ver um gato ou um cão abandonados, tinha de os trazer para casa", recorda a irmã Bárbara Moreira.

Exílio universitário

A chegada da idade do liceu foi uma oportunidade para que uma nova cidade se lhe revelasse. O Porto da Foz, onde o quotidiano se tecia entre as relações de uma elite abastada e culta, que frequentava os mesmos salões, os mesmos clubes, as mesmas igrejas, nas quais se forjavam negócios, cumplicidades políticas e se desenhavam amizades ou casamentos, pouco tinha que ver com o Porto do liceu D. Manuel II. As viagens nos transportes públicos, a constatação de colegas que saíam algumas paragens antes do destino para pouparem tostões, abriram-lhe novas visões do mundo e novas relações. Na sua adolescência e juventude, Rui não parece ter sido o protótipo do "betinho da Foz" que qualquer jovem do Porto aprendeu a distinguir na sua juventude. A experiência dos liceus públicos fez com que "tivesse sempre saído do cânone dos amigos da Foz. Eu era um pouco como ele. Tínhamos amigos na Fonte da Moura, lembro-me de umas irmãs de esquerda com quem convivíamos e que eram da Rotunda [da Boavista]", recorda Bárbara Moreira. O seu eclectismo não o impedia contudo de fazer o que a tradição impunha aos rapazes do bairro mais chique do Porto. Como velejar, desporto no qual se destacou com a conquista de vários títulos nacionais, o primeiro dos quais logo com 11 anos.

O estalar do 25 de Abril apanha-o no Garcia de Orta, um liceu que na época ficaria conhecido pela violência com que se experimentou a liberdade democrática. Nos persistentes saneamentos e desacatos entre facções de esquerda e de direita, Rui Moreira escolhe uma terceira via. "Ele fundou a União de Estudantes Democratas Independentes, que era um movimento contra a radicalização política que tinha tomado conta do liceu. Foi uma espécie de embrião do que aconteceu agora nas eleições autárquicas", ri Bárbara. Quando acaba os estudos liceais, Rui Moreira sabe que tem de seguir o caminho do pai e do avô. Teria de estudar no estrangeiro. À sua espera estava um curso de Economia na Universidade de Greenwich. A turbulência revolucionária que experimentara no Garcia de Orta, porém, haveria de o acompanhar de perto nesses primeiros anos de exílio universitário.

A 12 de Março de 1975, o pai é preso por suspeita de ligações ao Exército de Libertação de Portugal, que tinha lançado uma série de atentados bombistas contra partidos de esquerda. Começara o momento mais dramático da família. Duraria até Novembro, até que Rui Moreira pai fosse libertado, sem que se tenham reunido quaisquer provas para sustentar a acusação de que fora alvo. O pai do banqueiro Artur Santos Silva, Artur como o filho, foi o advogado que o defendeu. "O pai de Rui Moreira foi miseravelmente preso e vítima de sevícias. Foi sujeito a várias simulações de fuzilamento. Acordavam-no de madrugada e diziam-lhe que ia ser fuzilado", diz Artur Santos Silva filho. "Bloquearam-nos as contas. Vivemos com o dinheiro emprestado pelos nossos amigos. Frequentemente a nossa casa era apedrejada, as persianas da janela do meu quarto foram partidas", recorda Bárbara Moreira, que na altura tinha 15 anos. Uma das suas irmãs, Rita, ficou de tal forma traumatizada "que tinha receio de subir ao primeiro andar". E o empresário, diz Artur Santos Silva, ficou com sequelas para toda a vida. Num artigo publicado no JN por ocasião do falecimento de Eurico Corvacho, o militar que comandava a Região Militar do Norte em 1975, com o título "Nós não esqueceremos", Rui Moreira escreveu: "O meu Pai foi uma das vítimas de Corvacho, e da sua inventona. (...) Viu os seus bens congelados, a empresa ocupada, a casa de família atacada por bandos armados. Sofreu as tais sevícias que os corajosos carcereiros sempre negaram, que lhe deixaram marcas físicas e psicológicas para o resto da vida."

Rui Moreira acompanhou parte do drama familiar em Inglaterra. Em Kings Road, onde vivia na companhia de outros estudantes, as mesadas deixaram de chegar com a regularidade do costume. Trabalhou em bares, lavou pratos. Em 1978, em vésperas de celebrar o seu 22.º aniversário, conclui o curso de Gestão de Empresas, sendo considerado o melhor aluno do seu ano. Estava pronto a regressar. Não para se associar ao universo empresarial do pai, que na altura começava a acusar os primeiros danos da instabilidade dos anos de transição para a democracia - a Molaflex seria vendida em meados dos anos 80 -, mas para retomar o que restava da empresa da família ligada à navegação. No final dos anos 70, com a Molaflex em problemas, Rui Moreira percebe que algo de novo estava para acontecer nessa indústria. A descoberta dos contentores, cuja valia conhecera em viagens pela Europa, e a expansão do comércio mundial podiam ser bons tónicos para a velha empresa do avô, que passara os últimos anos adormecida.

Foi Rui Moreira um bom gestor? A irmã, Bárbara, não duvida, e algumas das pessoas que acompanharam de perto o redespertar da E.A. Moreira, como Alberto Castro ou Artur Santos Silva, confirmam-no. A parceria entre Rui Moreira filho, que ficou com a maioria do capital, e Rui Moreira pai desenvolve-se rapidamente e em 1984, quando Carlos Melancia era ministro do Mar, a empresa ganha a privatização de 30% das acções da Transinsular. Pouco depois, numa operação em que se associou ao empresário de Macau Stanley Ho, Moreira obtém o controlo da empresa de navegação com as ilhas. Nesta altura, "a Transinsular valia mais do que a E.A. Moreira, que era a holding", recorda Rui Moreira. As previsões do pai, que jamais gostara de negócios com barcos, cargas e descargas, tinham-se mostrado erradas. Com a Molaflex em queda, a fortuna dos Moreira estava garantida pela navegação. Pelo menos a curto prazo.

Ainda antes da compra de uma participação qualificada na Transinsular, Rui Moreira sofre um abalo de saúde que teria consequências profundas na sua vida. Uma insuficiência renal grave coloca-o entre a vida e a morte. Tinha 27 anos, casara e tivera um ano antes o seu primeiro filho. Este incidente fá-lo-ia repensar a opção pela vida agitada dos negócios. Em 1991, aos 35 anos, decide vender as suas companhias. Não se sabe por quanto terá vendido nem quanto terá ganho. Sabe-se que foi o suficiente para manter uma vida abastada, para viajar, para abrir negócios pouco ortodoxos, como o da discoteca Pop ou para adquirir uma casa ampla e luxuosa na zona mais privilegiada da Avenida da Boavista (já perto da Foz), onde há quadros de Ângelo de Sousa nas paredes e móveis de arquitectos conceituados. Na sequência de um escândalo financeiro numa dependência do Banco Mello durante o auge da euforia bolsista, entre 1998 e 2000, no qual Rui Moreira é citado como testemunha, sabe-se que tinha aí depósitos de dois milhões de euros; e, no final de 2012, faz parte de uma sociedade com o filho e dois amigos que investe na fábrica de conservas A Poveira cinco milhões de euros.

Entrada na vida pública

Ao fim de quase uma década distante dos grandes negócios, Rui Moreira tem 45 anos. A sua vida volta a embater numa encruzilhada. Tinha casado uma segunda vez, tivera um segundo filho e entrara na idade respeitável na qual se desenham crises e se descobrem novas vocações. A vida como empresário permaneceria em hibernação e Rui Moreira entra na vida pública. Será presidente da Associação Comercial do Porto. Fundada em 1834, a associação conserva no Pátio das Nações, no seu Salão Árabe admiravelmente decorado ou nos inúmeros mapas centenários do Palácio da Bolsa, a imagem de sucessivas gerações de burgueses do Porto de olhos voltados para o mundo. Homens que moldaram a economia e a política do país desde os alvores do liberalismo. Esse passado, porém, parecia cristalizado. A ACP vivia uma era de letargia. "Era na altura vista como uma entidade elitista e de velhos", recorda Alberto Castro, professor de economia na Universidade Católica no Porto e membro da direcção da ACP desde 2005. "O Rui preocupou-se em abrir a associaçào à cidade e, ao mesmo tempo, recuperar a sua motivação inicial, que se fazia com a intervenção nos assuntos nacionais, com particular destaque para os que se relacionavam com os transportes", acrescenta Alberto Castro.

Pode parecer um exercício improvável de adivinhação, mas quem seguir de perto o percurso de Rui Moreira desde Maio de 2001 dificilmente deixará de considerar que a presidência da ACP foi a primeira etapa do caminho que o levou à câmara. Desde então, Rui Moreira foi construindo lenta mas inexoravelmente uma imagem de portuense e portista culto, engagé, corajoso, informado e, à boa maneira republicana, determinado a bater-se por causas.

Aos poucos, vai criando redes de influência e aumentando o número de palcos onde se dá a conhecer. "Percebeu-se logo que não era por ser rico que chegou à ACP. Percebeu-se que pensava por ele. Começou por isso a ter cada vez mais voz activa nas questões da cidade, da região e do país", lembra Alberto Castro. No exterior, essa voz começou a ser ouvida e notada. Logo em 2001, Rui Moreira integra o painel de comentadores do programa Avenida dos Aliados, da extinta NTV, ao lado de José Alberto Azeredo Lopes e de Paulo Rangel. "O Rui Moreira já na altura tinha um pensamento próprio e articulado sobre o Porto. E tinha capacidade para o explicar. Isso era pouco comum", recorda Azeredo Lopes, um especialista em Direito Internacional da Católica que passou pela liderança da Entidade Reguladora para a Comunicação Social e seria o porta-voz de campanha do movimento "Porto, o nosso partido". Acabada a curta experiência da NTV, Rui Moreira seria colunista do Diário de Notícias entre 2002 e 2003, antes de passar para o PÚBLICO, onde se manteve até 2009 - nos últimos anos, escreveu no Jornal de Notícias.

Os seus textos na imprensa começaram a esboçar os contornos de um programa. Que tanto tinha de original como incorporava muitas das linhas de força ditas e repetidas ao longo das duas últimas décadas pela maior parte das elites políticas e empresariais. Preocupava-o a crise em que "a sociedade civil portuense, irrequieta e muito activa nos anos que se seguiram à revolução de 1974" tinha caído após a morte de Sá Carneiro. Afligia-o uma cidade que se tinha "inebriado com a ilusão de que poderia ser, também, capital". Considerava Fernando Gomes, presidente da Câmara do Porto entre 1991 e 2000, "um iluminista". E lamentava: "O liberalismo, (...) que ainda identificamos com o cunho fundamental da burguesia portuense, elegante, culta, corajosa e insolente, parece ter desaparecido."

Mas se era crítico quanto ao Porto e alguns dos seus vícios, era-o ainda mais de um modelo de Estado centralista que ilustrava com uma imagem de Lisboa igual à do "farol de Alexandria", a única luz visível na escuridão do país. No seu livro Uma Questão de Carácter, que dedicou à mãe, apontava o dedo a Cavaco Silva, que foi, no seu entender, "um primeiro-ministro com uma visão pombalina do país e que, talvez por isso, nunca gostou do Porto, dos seus empresários, dos seus políticos e, principalmente, do seu liberalismo". Sustentava que "o Porto e o Norte precisam de recuperar poder político para contrariar a hegemonia de poderes que se concentram de forma inédita na capital".

Falar de valores, de liberalismo ou defender um projecto de cidade não eram porém meios de chegar às classes mais populares. Essa lacuna seria suprida com a entrada no painel de comentadores do programa da RTP-N Trio de Ataque, no qual Rui Moreira defenderia o FC Porto face ao benfiquista António Pedro Vasconcelos e ao sportinguista Rui Oliveira e Costa. Houve quem achasse que essa cedência ia comprometer a imagem de credibilidade que Moreira entretanto conquistara. O seu amigo Hélder Pacheco assume-o. "Sempre discordei que ele andasse metido no meio dessa tropa. São ambientes mal frequentados", diz o historiador, que, no entanto concede: o futebol "deu-lhe visibilidade para poder ter outro tipo de protagonismo cívico".

Nesse lugar, Moreira teria de se cruzar com a outra figura de referência de um Porto refilão mas ganhador: Jorge Nuno Pinto da Costa. No princípio, tanto vituperava os que atacavam o FC do Porto e o seu presidente como recusava tornar-se um adepto incondicional da sua estratégia. Em 2004, escrevia no PÚBLICO que "Rui Rio é mais popular em Lisboa do que no Porto, o que aliás já reivindicou, porque personaliza o ataque a Pinto da Costa e ao FC Porto, odiados na capital por serem símbolos de sucesso da "província"". Ao mesmo tempo, censurava a "estratégia guerrilheira" de Pinto da Costa e condenava as suas pressões sobre os jornalistas. Presença frequente no Estádio do Dragão, onde tem um lugar anual, manteve uma relação errática com a direcção do clube. Em 2010, seria no entanto brindado por Pinto da Costa com o troféu Dragão de Ouro por, de forma "inteligente", ter defendido o FC Porto, "ao mostrar dignidade de dizer basta ao fartar vilanagem".

O episódio a que Pinto da Costa aludia ocorrera na noite de 5 de Outubro de 2010, quando após a citação de escutas judiciais ao presidente portista no âmbito do processo Apito Dourado, Rui Moreira abandona abruptamente o programa, transmitido em directo. "Saí por uma questão de ética. Não saí enfurecido", diz Rui Moreira. A direcção do canal, à época entregue aos jornalistas Carlos Daniel, José Alberto Lemos e Dinis Sottomayor, já andava desgastada com o comportamento de Moreira, uma das suas principais estrelas. Por alguns meses, Moreira aparecera nos ecrãs da SIC depois de, alegadamente, ter jurado fidelidade à RTP-N. "Esse senhor tem um problema com a verdade", diz José Alberto Lemos. Juntando os factos, Lemos, Daniel e Sottomayor decidem cessar a colaboração com Moreira. Não contavam, no entanto, com a influência do comentador na administração da estação. Guilherme Costa pressiona e Moreira regressaria ao comentário político na RTP2. Meses mais tarde, a direcção da RTP-N é demitida.

Líder regional

Garantido o estatuto de figura pública, faltava-lhe uma oportunidade para deixar de ser mais um e para se tornar uma força aglutinadora dos desencantos da cidade. Essa oportunidade chegaria em 2007. No auge da polémica sobre a construção do novo aeroporto de Lisboa na Ota, a ACP decide intervir. Por considerar que a Ota era um erro que afectaria o mercado do aeroporto do Porto, Rui Moreira pediu à Universidade Católica um estudo alternativo. À sua volta, reúnem-se vastos sectores do empresariado, as universidades, protagonistas políticos de vários quadrantes. "Eu adverti-o para um risco: a partir do momento em que tinha pedido o estudo a uma universidade, ele teria de aceitar a nossa independência académica e corria o risco de receber uma conclusão que contrariava as suas posições", recorda Alberto Castro. "Ele respondeu dizendo que "precisava mesmo de um estudo" e que aceitaria as conclusões fossem quais fossem", acrescenta. A alternativa proposta pelo estudo (o cenário Portela+1) iria para a gaveta do Governo (cedo, aliás, toda a obra seria congelada), mas num único movimento a ACP e Rui Moreira aparecem como os porta-bandeira da causa nortenha num dos debates políticos mais quentes dos últimos anos.

No ano seguinte, uma nova oportunidade se abriu para Rui Moreira reforçar a condição de líder regional. A ACP começara a criticar violentamente a estratégia da privatização da ANA, a gestora dos aeroportos nacionais. Rui Moreira, apoiado por Rui Rio, recusava um modelo de privatização em bloco dos aeroportos por recear que a prazo o Porto se tornasse um apêndice da estratégia aprovada por Lisboa. Num jantar com José Sócrates no Palácio da Bolsa, Moreira expôs as pretensões da ACP, citou os exemplos da Europa e reclamou uma solução alternativa. Sócrates prometeu considerar a possibilidade desde que lhe fosse apresentado o nome de um interessado em ficar com a concessão do aeroporto Sá Carneiro. Rui Moreira convoca os notáveis da cidade para discutirem com Sócrates e com o ministro Teixeira dos Santos formas de se evitar a criação de um monopólio aeroportuário. Participaram Artur Santos Silva, Luís Portela, da Bial, Paulo Azevedo, da Sonae, Daniel Bessa e Alberto Castro, entre outros. Nesse processo, Moreira lidera e brilha. "Além de ter mostrado neste momento uma enorme firmeza na defesa dos valores e dos interesses da cidade, mostrou também uma enorme competência e conhecimento dos assuntos", recorda Artur Santos Silva. A Sonae e a Mota Engil mostraram-se interessadas em gerir o aeroporto do Porto. Mas José Sócrates daria o dito pelo não dito. A ANA acabaria por ser privatizada em bloco já na vigência do actual Governo.

Com o capital político reforçado e com uma crescente notoriedade na cidade e no país, Rui Moreira começa a ser falado para as autárquicas de 2009. Nesse ano, porém, faltava-lhe espaço e apoios para avançar. Rui Rio estava na corrida e prometia ser imbatível. Tacticamente, Moreira deixa o seu nome correr. Nos círculos do PS há quem o aponte como um bom candidato, mas o presidente da ACP manteve-se à margem. Quatro anos mais tarde, tudo parecia diferente. A lei de limitação de mandatos e a mais que provável corrida de Luís Filipe Menezes criaram uma conjuntura nova. "Em 2009, há já muita gente a empurrá-lo. Mas não havia ainda condições. Desta vez eu tinha a certeza de que ia acontecer", diz Bárbara Moreira. "Só avancei quando tive a certeza de que tinha apoios suficientes. Não podia ser o último dos moicanos das elites burguesas do Porto", admite agora Rui Moreira.

Com o apoio de notáveis

Sabe-se que esses apoios tiveram duas origens: num grupo informal de notáveis que no final do ano passado começou a discutir os cenários do Porto pós-Rui Rio e no empenho do presidente em minar o avanço de Menezes, o seu arqui-inimigo político. Que apoio foi mais determinante no avanço da candidatura e na vitória eleitoral é motivo de controvérsia. No primeiro mandato de Rui Rio, Moreira tinha-se situado entre os seus críticos - e elogiava o que acontecia em Vila Nova de Gaia, uma cidade "repensada e recriada a partir do caos por Luís Filipe Menezes". Em 2004, Rui Moreira criticava por exemplo Rio por propor um tribunal especializado em comunicação para garantir que "a responsabilização pelo que se escreve e diz seja maior". Moreira responderia: "Só falta aparecer por aí um berlinense manco e ressuscitado, que mande queimar o PÚBLICO Local na fogueira, que equipare os perversos jornalistas aos arrumadores, que os condene, com identificação visível na lapela e despejo regular na Agrela." Sete anos depois, não só Rio recuperaria o discurso anticentralista de Moreira, como Moreira se colocaria entre os principais émulos da política social e da gestão financeira de Rui Rio. Em Abril de 2011, o presidente da câmara sela a aproximação convidando Rui Moreira para liderar a Sociedade de Reabilitação Urbana do Porto (SRU), no que foi interpretado como o início de uma aliança informal para as autárquicas.

O grupo de notáveis acelera a sua mobilização no final de 2012. Lista as prioridades, avalia recursos, define perfis, identifica perigos, analisa as consequências de uma vitória de Menezes. Faziam parte desse grupo, entre outros, Artur Santos Silva, Daniel Bessa, Azeredo Lopes, Carlos Mota Cardoso, Manuel Ferreira da Silva, Luís Valente de Oliveira, Alberto Castro, Miguel Veiga e Arlindo Cunha. O elenco foi crescendo e o perfil do candidato deste movimento destacava-se cada vez com mais nitidez. "Rui Moreira era o homem ideal pelo que tinha feito na ACP ou na SRU. Achámos que não se podia perder esta oportunidade: ele tinha dedicado muito da sua vida a defender o Porto. Estava na hora de avançar", recorda Artur Santos Silva. Como acontecera na candidatura falhada de Ruy Luís Gomes à presidência da República, em 1951, no enorme apoio popular a Humberto Delgado em 14 de Maio de 1958, nas candidaturas da oposição ou no aliança da cidade com o bispo António Ferreira Gomes, que em 1958 ousa criticar Salazar, o Porto saía das normas. Ousava. Azeredo Lopes recusa a visão dos que vêem a candidatura de Moreira como a consequência de "uma conspiração de Rio", mas faz pontes e admite que uma parte importante da sua herança autárquica "merecia o acordo das pessoas que se reuniam" à procura de uma solução.

Quando Moreira aceita dar a cara pelo movimento, sabia-se que parte do PSD estaria com ele, que o CDS se lhe devotaria e que a presença na Comissão de Honra de personalidades com ligações ao republicanismo e à esquerda (ele próprio, como Santos Silva, tinha apoiado Mário Soares) poderiam abrir as portas a um eleitorado transversal aos partidos. Em Fevereiro, é lançado um apelo à mobilização ("Dar o Porto ao manifesto") que reúne centenas de apoiantes e, como recorda Azeredo Lopes, "prova que não estávamos no caminho errado". As necessidades financeiras para a campanha, 250 mil euros, foram calculadas com base no subsídio do Estado para a conquista de 20% dos votos. Parte da receita foi obtida por contribuições de cidadãos, mas fontes ligadas à corrida garantem que o próprio Rui Rio se terá mobilizado para que o projecto não fosse comprometido pela falta de meios. O director financeiro da campanha, Francisco Ramos, tinha desempenhado essas funções nas anteriores vitórias do autarca.

Apesar de todas as sintonias, ainda que se mostrasse agradado com o apoio informal que o actual presidente lhe concedia, Rui Moreira procurou desde o início afastar a ideia de que se limitava a ser uma criatura de Rio. O que importava afirmar, e Moreira sempre o fez sem reservas, "é que em causa estava uma evolução, não uma continuidade", diz Azeredo Lopes. Num ponto em particular, o programa do "Porto, o nosso partido" recusava a política de Rio. Na Cultura. Ao escolher Paulo Cunha e Silva para esse pelouro (esteve extinto em dois dos três mandatos de Rio), Moreira estava a criar uma ruptura. Paulo Cunha e Silva, ex-programador da Porto 2001 e ex-presidente do Instituto das Artes, fora um dos mais ferozes críticos da política cultural de Rui Rio. "A minha escolha é já em si própria um programa", diz Paulo Cunha e Silva. "Rui Moreira tem a ideia de que a cultura não é um berloque, uma flor na lapela, mas sim uma das condicionantes do desenvolvimento. Ele tem uma relação muito cosmopolita com a cultura", acrescenta o próximo vereador.

Com Luís Filipe Menezes a aparecer destacado nas primeiras sondagens, muitos dos apoiantes de Moreira começam a acreditar que a conquista de 20% dos votos seria uma façanha. Em Julho, Rui Rio decide dar uma ajuda, dizendo que não votará no candidato do seu partido. Uma série de outdoors pagos pelo município exaltavam os méritos de uma cidade de "boas contas", com gráficos a mostrar a diferença entre as dívidas do Porto e de Gaia. Nem esse empurrão parecia ser suficiente. A falta de dinheiro transparecia na impressão dos primeiros outdoors, desbotados e pindéricos em comparação com os de Pizarro e Menezes. Nas primeiras saídas à rua "éramos três ou quatro gatos pingados", reconhece Azeredo Lopes.

Nos meses do calor, Moreira parece um homem sozinho. Muitos dos notáveis tinham-se eclipsado por razões profissionais. Outros terão cedido a pressões e ameaças externas e afastaram-se. Num certo momento, há uma reunião geral dos promotores originais da candidatura e exige-se-lhes mais empenho. No discurso da vitória, Moreira regressará a esses momentos difíceis dirigindo-se a "todos aqueles que desde o início tentaram impedir esta candidatura, procurando condicionar os nossos apoiantes".

Aos poucos, o movimento "Porto, nosso partido" vai ganhando músculo. Começa a atrair cada vez mais pessoas. Rui Moreira desfaz as suspeitas sobre a sua capacidade de sair à rua. "Diziam que ele não era capaz de descer aos bairros, que era pouco resistente física e psicologicamente, que só estava bem nos cocktails. Subestimaram-no. Ele não renega a Foz, mas quem o conhece sabe bem que ele tem uma experiência transversal da cidade", diz Azeredo Lopes. Os mais jovens saudavam-no como acérrimo portista, mas essa condição, sendo necessária, não parece ter sido suficiente para explicar a vaga de fundo. "O clube esteve muito pouco presente na campanha", garante Bárbara Moreira.

“Ganhámos”

Rui Moreira lembra que acreditou pela primeira vez na possibilidade da vitória "depois da declaração do Tribunal Constitucional sobre a limitação de mandatos", que afastava de vez o impedimento de Menezes. "Liguei ao Nuno Santos (o seu assessor de imprensa) e disse: "Ganhámos." A limitação de mandatos poluía tudo. Não conseguia dar uma entrevista em que não me massacrassem com isso", diz Moreira. Na recta final da campanha, a expectativa vai-se consolidando. As sondagens mostram uma inversão das tendências, as ruas revelam uma adesão crescente de cidadãos anónimos, os cofres da candidatura começam a registar mais depósitos. Quando, na quinta-feira antes das eleições, a RTP revela uma sondagem da Universidade Católica que coloca Moreira na liderança da corrida, todos parecem acreditar que o milagre era possível. Como acontecera em 2001 com a vitória de Rui Rio sobre o colossal Fernando Gomes, o Porto estava uma vez mais a um passo de surpreender o país.

Passados dias sobre a vitória inequívoca de Rui Moreira (obteve 39,25 % dos votos contra 22,68% do PS e 21,06% da coligação liderada pelo PSD), essa surpresa ainda permanece por digerir. Azeredo Lopes reconhece-o. Artur Santos Silva confirma-o: "Surpreendeu-me. Mas o que aconteceu tem uma explicação E é esta: as pessoas perceberam que as queriam enganar."

Será só isso? Alberto Castro vai além, e diz que boa parte do sucesso da candidatura está nas qualidades do candidato, que, "sendo rico, fazendo parte de uma elite, também é capaz de estar sentado nas bancadas do Estádio do Dragão e lançar impropérios ao árbitro como um adepto qualquer". Hélder Pacheco subscreve a tese, apontando para um candidato capaz de fazer pontes entre diferentes estratos da população e na "vitória de uma coligação explosiva entre o Porto liberal e o Porto profundo dos bairros sociais". Por mérito próprio, erros alheios, com mais ou menos ajuda de Rui Rio, o que aconteceu no domingo dia 29 de Setembro de 2013 "só podia acontecer no Porto", acredita Rui Moreira. Porque, acrescenta, "o Porto é uma cidade verdadeiramente liberal na estrutura do seu pensamento. Há uma consciência crítica na cidadania que sabemos que vem de longe. Há coisas que só podem acontecer nesta envolvência, que só podem acontecer no Porto".

Com maior ou menor romantismo na hora da interpretação, a evidência está aí: caso inédito no país e na Europa, um independente tomou de assalto uma grande cidade. Uma façanha para a posteridade. Há quem defenda agora candidaturas de cidadãos para a Assembleia. No seu discurso de vitória, Rui Moreira deixou o aviso: "Se os partidos não perceberam o que se passou aqui, então não perceberam nada."

Texto publicado na revista 2 a 13 de Outubro de 2013

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.