Mau tempo causou um morto e estragos em todo o país

Um morto, dois feridos, quedas de árvores, pessoas desalojadas, deslizamentos de terras, derrocadas de muros e estradas cortadas. O mau tempo provocou estragos de norte a sul.

Um idoso de 85 morreu em Abrantes, Santarém, com um traumatismo craniano depois ter sido projectado contra o chão pelo portão de casa, impelido pela força do vento. Duas pessoas ficaram feridas após a queda de duas chaminés num prédio em Sintra. O telhado de uma casa em Santiago do Cacém foi arrancado pelo vento, deixando quatro pessoas desalojadas.

A Protecção Civil registou mais de 8100 ocorrências, entre inundações, quedas de estruturas e quedas de árvores (que foram mais de metade dos casos). Às 20h deste sábado, o grau de alerta passou de laranja para amarelo e, a partir da meia noite, as autoridades esperam um "regresso à normalidade", explicou o comandante operacional da Protecção Civil, José Manuel Moura, em declarações aos jornalistas. Para domingo, afirmou Moura, "não é expectável" que surjam situações fora do normal.

Barcelos
Um pónei foi apanhado na noite desta sexta-feira pelas cheias do rio Neiva, em Barcelos, ficando semi-submerso. O animal foi avistado este sábado pelas 8h, tendo sido resgatado por uma equipa de mergulhadores dos Bombeiros Voluntários de Barcelos, pelo que poderá ter passado toda a noite na água.

O rio Neiva galgou as margens e invadiu as leiras contíguas, onde a água chegou a atingir mais de 1,5 metros de altura. À operação de salvamento – em que a dona do pónei participou – assistiram dezenas de curiosos.

Beja
 Em Santa Clara do Louredo duas viaturas ficaram danificadas, devido a quedas de árvores.

Coimbra
Na noite desta sexta-feira a queda de uma árvore em Coimbra atingiu três veículos ligeiros. Em Montemor-o-Velho também caiu uma árvore sobre a cabine de uma viatura pesada de mercadorias.

A chuva intensa e o vento forte provocaram ainda “pequenas inundações” que não atingiram edifícios e caíram “algumas estruturas mais frágeis” sem causar vítimas, narrou à agência Lusa fonte da Protecção Civil. Os Bombeiros Sapadores de Coimbra receberam “centenas” de pedidos de auxílio nestes dois dias, “principalmente relacionados “com quedas de árvores e inundações”, disse à Lusa fonte da corporação, adiantando que “não houve nenhuma situação grave”.

Segundo confirmação de fonte do Destacamento de Trânsito da GNR em Coimbra, várias estradas do distrito estiveram temporariamente cortadas ao trânsito ou com a circulação automóvel limitada, devido à queda de árvores e deslizamento de pedras ou terras. Os concelhos mais afectados são: Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Lousã, Mira e Montemor-o-Velho.

Covilhã
As estradas no maciço central da serra da Estrela estão fechadas devido a um intenso nevão, disse à agência Lusa fonte do Centro de Limpeza de Neve nos Piornos. A estrada que atravessa a montanha entre Piornos, Torre e Lagoa Comprida está encerrada. Às 8h, foram encerradas também as ligações a Manteigas e Loriga. "Está a nevar muito e há muito vento", descreveu a mesma fonte, durante o dia. No Centro de Limpeza de Neve, nos Piornos, a temperatura chegou aos zero graus.

Évora
Registaram-se quedas de árvores, inundações nos concelhos de Estremoz e Borba e quedas de estruturas também nestes dois concelhos.

Figueira da Foz
O mau tempo provocou a derrubada de parte do muro do topo sul do Estádio Municipal José Bento Pessoa. A parede que separa o estádio e a estrada, no topo norte do recinto, foi igualmntre afectada, tendo caído parte da estrutura. Uma vez que a bancada sul não tem sido aberta ao público, os danos não deverão colocar em causa o encontro de domingo entre a Naval 1.º de Maio e o Sporting de Braga B. A cidade foi também atingida por uma falha eléctrica.

Guarda
Só entre a meia-noite e as 12h tinha sido registada a queda de 24 árvores em São Romão, Manteigas, Aguiar da Beira, Celorico da Beira, Trancoso, Guarda, Gouveia, Vila Nova de Tazem, Fornos de Algodres, Gonçalo, Seia, Loriga e Pinhel, que não causaram danos.

A chuva provocou arrastamento de terras em Pinhel e São Romão, no concelho de Seia. Em Manteigas, “os ecopontos voaram com o vento”, narrou à agência Lusa fonte do CDOS local.

O coordenador do Serviço Municipal de Protecção Civil referiu a queda de duas árvores na cidade da Guarda, uma no recinto do Hospital Sousa Martins e outra no parque municipal, que também não causaram prejuízos. 

Leiria
O mau tempo no distrito de Leiria deixou quartéis de bombeiros sem comunicações via rádio e vários concelhos sem eletricidade,.

Lisboa
Várias ruas de Lisboa estiveram temporariamente encerradas para limpeza de árvores ou objectos caídos – sobretudo painéis publicitários – na via pública arrastados pelo vento forte, disse à agência Lusa fonte do comando metropolitano da PSP da cidade.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues