Em 73% dos partos “normais” as mulheres são cortadas na vagina

Taxa de episiotomias em Portugal é a segunda mais elevada na Europa, a seguir à de Chipre.

Jorge Silva/Reuters

Em Portugal, quase um em cada três nascimentos implicou o recurso à cesariana em 2010 e 72,9% das mulheres que têm partos vaginais foram submetidas a cortes na região do períneo — a segunda taxa mais elevada da episiotomia (assim se designa esta prática) nos países europeus, logo a seguir à de Chipre.

 

Se na taxa de cesarianas e de episiotomias Portugal surge a vermelho no mapa europeu, em contrapartida está bem posicionado na maior parte dos indicadores de saúde materna, fetal e neonatal, no segundo relatório do projecto Euro-Peristat, o documento mais detalhado sobre saúde e cuidados a mulheres grávidas e crianças na Europa, nesta segunda-feira divulgado.


Reunindo dados de 29 países (todos os da União Europeia, excepto a Bulgária, além da Islândia, Noruega e Suíça), o documento de 250 páginas permite traçar vários retratos sobre o período anterior e posterior ao parto e perceber a evolução verificada desde 2004 (data dos números do primeiro relatório apresentado). Alguns exemplos: neste curto período, as taxas de mortalidade fetal, neonatal e infantil diminuíram cerca de 20% na Europa; e, na maior parte dos países, a prematuridade manteve-se constante ou decresceu, uma inversão da tendência que se verificava anteriormente, apesar de alguns factores de risco de complicações no parto terem aumentado.

Em Portugal, aconteceu o contrário: a prevalência de partos prematuros (antes das 37 semanas) cresceu, mas nos últimos dois anos parece estar a diminuir, apesar de estes dados não constarem no relatório. O recurso às episiotomias (cortes na região do períneo, entre a vagina e o ânus, para ampliar o canal do parto e evitar rasgões) diminuiu, mas pouco, quando comparado com a evolução verificada em Espanha — entre 2004 e 2010, passamos de uma taxa de episiotomias de cerca de 80% para 70%, quando em Espanha esta proporção diminuiu de 70% para 40%, no mesmo período. Esta é uma prática que visa evitar lacerações no períneo, mas que demonstrou ter efeitos secundários e que actualmente se tende a considerar excessivamente invasiva.

“Portugal fez, num período muito curto, um percurso no sentido da medicalização da gravidez e do parto”, recorda, em jeito de explicação para a evolução verificada no país Henrique Barros, coordenador nacional e membro do conselho científico do projecto Euro-Peristat. Em 1970, mais de metade dos partos no país aconteciam em casa, quando, em 2010, os partos no domicílio representavam menos de 1%.

O especialista da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto nota que alguns indicadores devem ser olhados com cautela. “Portugal tem, de facto, uma elevada taxa de cesarianas, mas é preciso ver que as lesões associadas a complicações durante o parto praticamente desapareceram”, exemplifica. “Ultrapassada a fase da sobrevivência [e dos indicadores quantitativos], agora é preciso apostar nos indicadores de qualidade. Ir mais além, saber como ficam as mulheres e as crianças [após o nascimento]”, defende.

Dados que faltam
O que este documento permite perceber sobre Portugal (há dados importantes que faltam, como os da proporção de mulheres que fumam durante a gravidez e a percentagem de grávidas obesas, lamenta Henrique Barros) é que as mães com mais de 35 anos passaram de 18% em 2004 para 22 % em 2010 e que o problema da gravidez na adolescência já tem uma expressão bem menos substancial (4% das mães tinham menos de 20 anos em 2010). Na mortalidade fetal, neonatal e infantil, as taxas continuaram a descer entre 2004 e 2010, colocando Portugal ao nível dos melhores na Europa.

Com tão bons resultados, agora é preciso garantir que não pioram e investir na melhoria da qualidade, mas para isso é necessário ter “dados mais sofisticados”. Para intervir no peso à nascença, exemplifica, “é conveniente apostar na diminuição das grávidas fumadoras”. “Se quisermos ter partos menos medicalizados, precisamos de mais gente, treinada de maneira diferente e com mais disponibilidade, defende Henrique Barros, que lembra que, “nos países nórdicos, por exemplo, há mais de 25 anos que as ecografias de rotina são feitas por parteiras”.
 
 
 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.