5 para a Meia-Noite foi o melhor programa de 2012, Casa dos Segredos 3 foi o pior

Escolhas anuais da Associação de Telespectadores foram muito críticas para o processo de privatização da RTP e para o fim do futebol em sinal aberto.

Pedro Fernandes é um dos apresentadores do 5 para a Meia-Noite DR

A Associação de Telespectadores elegeu o talk show 5 para a Meia-Noite, transmitido pela RTP1, como o melhor programa de 2012. Já o reality show da TVI Casa dos Segredos 3 recebeu a classificação de pior do ano. O “prémio” de bronca do ano é atribuído às tentativas de privatização da RTP.

“Eis um talk show despretensioso, bem-humorado sem ser bacoco e sem nunca cair na graçola fácil”, diz a Associação de Telespectadores (ATV) sobre o 5 para a Meia-Noite, que considera que o programa trouxe ao ecrã convidados de alto nível, como foi o caso de Mário Soares e “as entrevistas não foram menos interessantes nem menos profissionais por serem, digamos assim, menos ‘sérias’”. Os apresentadores do programa – Luís Filipe Borges, José Pedro Vasconcelos, Nilton, Nuno Markl e Pedro Fernandes – souberam sempre “manter o justo equilíbrio entre bom humor, irreverência e boa educação, fazendo do género programa ligeiro um estilo, bem cuidado e inteligentemente cultivado”.

O pior veio da TVI, com mais uma edição do reality show Casa dos Segredos. Para a ATV, não resta “qualquer dúvida de que nada pode ser tão medíocre” como este concurso. “Já nem sequer se trata de um reality show, mas sim de uma indústria, onde se fabricam relações, emoções, sentimentos, tudo o que ponha as audiências no topo. Até custa a crer que os concorrentes se prestem a tamanha degradação apenas pela fama.” Mais: “É a exposição total da decadência, não acrescenta absolutamente nenhum valor a quem vê e é um verdadeiro atentado aos valores humanos”, critica ainda a associação.

Nesta balança dos bons e dos maus, já também espaço para menções de mérito e demérito. No primeiro caso são referidos, da RTP1, Portugal e o Futuro; Salvador; De Caras; A Guerra; Construtores de Impérios, Sexta às 9; Linha da Frente; Príncipes do Nada; A Voz de Portugal; Herman 2012, Mudar de Vida. A lista da RTP2 inclui Sociedade Civil; Câmara Clara e Quem Fala Assim. Da SIC são elogiados a novela Laços de Sangue; Grande Reportagem SIC; Alta Definição; Vida Selvagem; e os comentários de Miguel Sousa Tavares nos noticiários. Pela TVI, alinham do lado dos bons programas o concurso musical A Tua Cara não me É Estranha; Jornal das 8; Repórter TVI; os comentários de domingo à noite de Marcelo Rebelo de Sousa; e Oitavo Dia.

As menções de demérito são para o concurso O Preço Certo (RTP1), Cartas da Maya e o concurso Peso Pesado (SIC), e ainda Vídeo Pop e a novela Morangos com Açúcar (TVI).

Mas há também lugar a duras críticas para as “tentativas de privatização” da RTP, que considera ser a “bronca do ano”, por se tratar de um “atentado” contra os espectadores e os contribuintes, a cultura e a História, a democracia e a soberania, e até a imagem de Portugal no mundo, enumera a ATV. A associação lembra que, além da oposição, também no CDS e no PSD esta decisão merece críticas, para além do resto do mercado e da UER – União Europeia de Radiodifusão. “A entrega da RTP a privados já é o maior e porventura mais monstruoso tabu alguma vez registado em Portugal.”

Como revelação do ano, a ATV elege o fim das transmissões de futebol da I Liga em sinal aberto, depois de nenhum canal ter aceitado pagar os valores considerados demasiado altos pelos direitos televisivos. 
 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues